Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Para presidente da Telefônica, é 'injusto' usar menos dados pelo mesmo preço

Em meio à polêmica dos pacotes de internet fixa com limitação de dados, Amos Genish defende que medida não é um retrocesso

Lucas Hirata, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2016 | 16h50

O presidente da Telefônica Vivo, Amos Genish, disse nesta segunda-feira, 18, que é "injusto" que pessoas que usam poucos dados paguem pelos mesmos pacotes daquelas que tenham fluxo elevado na internet. O executivo disse acreditar que, no futuro, os pacotes de dados ilimitados continuarão a ser oferecidos, mas terão preços diferentes dos com limites.

O executivo disse que os pacotes ainda são ilimitados e devem continuar assim por muito tempo. No futuro, pode ser "mais justo para clientes de baixo valor que consigam pagar menos com menor uso de dados", disse. Na visão do presidente da Telefônica Vivo, aplicar restrições em dados não é um retrocesso para termos de inclusão digital, pois as pessoas poderão adaptar seus planos ao tráfego próprio de dados, afirmou.

Amos Genish ressaltou que o tráfego de dados em internet fixa e móvel tem crescido muito, por acessos a vídeos e outras tecnologias. No entanto, disse, a conectividade também gera custos elevados. Com isso, com o aumento do fluxo de dados, cresce também o custo para as operadoras.

Os comentários do executivo foram feitos em um momento em que consumidores têm liderado campanhas em redes sociais contra a empresa, por causa da restrição em dados nos pacotes de internet de banda larga fixa. O presidente da Telefônica Vivo disse que a companhia tem pacotes com dados ilimitados e que não vão mudar para os clientes existentes.

Nesta segunda-feira, 18, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) determinou que operadoras deixem de restringir o acesso à internet banda larga fixa, mesmo após o fim da franquia. A suspensão terá vigência por 90 dias e, em caso de descumprimento da determinação, as empresas estarão sujeitas a multa diária de R$ 150 mil, até o limite de R$ 10 milhões.

A movimentação dos consumidores nas redes sociais cresceu pois a companhia está analisando contratos novos com franquias de dados para novos clientes, afirmou Genish. O executivo afirmou, no entanto, que seguirá as regras dos órgãos reguladores e que buscará comunicar de maneira clara as condições dos planos.

Tudo o que sabemos sobre:
InternetTelefonia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.