Presidente do banco central da Grécia corta próprio salário em 30%, diz fonte

Medida faz parte de uma série de ações adotadas pelo Estado grego para reduzir gastos e é um gesto de solidariedade com os servidores públicos que também sofreram cortes 

Álvaro Campos, da Agência Estado,

18 de setembro de 2012 | 15h31

ATENAS - O presidente do banco central da Grécia, George Provopoulos, cortou seu próprio salário em 30%, segundo informou hoje uma fonte com conhecimento do assunto. A medida faz parte de uma série de ações adotadas pelo Estado grego para reduzir gastos e é um gesto de solidariedade com os servidores públicos, que tiveram seus salários cortados nos últimos anos.

Em uma carta enviada para o Banco Central Europeu (BCE), Provopoulos, que também faz parte do conselho administrativo da instituição europeia, disse que reduziu seu salário em 30%, além do corte de 20% que havia sido adotado em dezembro de 2009. Os dois vice-presidentes do banco central grego também teriam aceitado reduções de 30% nos seus salários.

A carta detalha ainda outras medidas adotadas pela autoridade monetária grega para reduzir gastos, como o corte no número de funcionários, diminuições nos salários de toda a equipe, fechamento de alguns escritórios e redução nas despesas com viagens, entre outras coisas.

Embora seja legal e operacionalmente independente, o governo grego é o principal acionista do banco central grego. No ano passado, a instituição pagou ao governo 84,65 milhões de euros como distribuição de lucros. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
gréciaausteridadecortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.