Marcelo Camargo|Agência Brasil
Marcelo Camargo|Agência Brasil

Presidente do Banco Central defende que mais pessoas entrem no sistema bancário

Ilan Goldfajn afirmou que a entrada das pessoas no sistema precisa ser acompanhada de educação financeira e de estrutura adequada de serviços financeiros ao consumidor

Altamiro Silva Junior e Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2017 | 09h47

SÃO PAULO - O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, defendeu o aumento da inclusão de pessoas ao sistema bancário em evento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) nesta segunda-feira, 03, em São Paulo, e que este aumento seja acompanhado de maior educação financeira e de uma estrutura de serviços adequada dos bancos.

O dirigente fez uma apresentação destacando que o BC tem dois objetivos, a estabilidade da moeda, relacionada ao controle da inflação, e a estabilidade financeira. Neste segundo tópico, o presidente do BC destacou que o avanço da cidadania financeira é fundamental, e é importante trazer as pessoas para o sistema. Ilan destacou que nos últimos 20 anos ocorreu um fluxo de pessoas para o mercado de crédito, por conta da tendência de estabilização macroeconômica e financeira, mas é preciso aprofundar esta inclusão.

Além disso, a entrada das pessoas no sistema precisa ser acompanhada de educação financeira e de estrutura adequada de serviços financeiros ao consumidor, ressaltou o presidente. "Não há como ter sistema financeiro sólido sem educação, inclusão e adequação financeira."

"A preservação das estabilidades monetária e financeira nacionais passa, obrigatoriamente, pelo avanço da cidadania financeira", disse o presidente do BC. Ilan disse que o BC lançou em 2016 a agenda "BC+", com o objetivo de dar mais transparência sobre o banco. Um dos pilares da agenda é uma sistema financeiro mais eficiente, outro é uma agenda regulatória mais moderna. Um outro pilar destacado pelo presidente do BC é mais cidadania financeira.

"A cidadania financeira é muito importante para a estabilidade do sistema financeiro", disse ele, destacando que o tema de inclusão financeira também faz parte de organismos internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o BIS, o banco central dos bancos centrais.

Ilan defendeu o fortalecimento das ouvidorias dos bancos, para não só resolver conflitos com os clientes, como também para prevenir problemas. O presidente ressaltou ainda a importância da educação financeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.