Presidente do Banco do Nordeste defende potencial da região para atrair indústrias e pessoas

Marcos Costa Holanda afirma que, apesar de ainda ter uma participação tímida no PIB, o perfil do Nordeste mudou

O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2016 | 05h00

A dinâmica de desenvolvimento econômico do Nordeste é "impressionante", nas palavras do presidente do Banco do Nordeste, Marcos Costa Holanda. No cargo desde 2015, o executivo afirma que o perfil da região mudou nos últimos anos e que, agora, ela tem grande potencial para atrair indústrias e pessoas.

Holanda cita um grupo de 20 cidades, chamadas de "G20 do Nordeste", que possuem infraestrutura mais avançada e podem se tornar polo de atração: "Num momento em que o mundo está importando pessoas, nós estamos exportando. Precisamos ter políticas que promovam o movimento reverso", defende.  

A entrevista foi gravada durante o Lemann Dialogue, uma conferência que reúne alunos bolsistas da Fundação Lemann das Universidades de Columbia, Harvard, Illinois e Stanford.

O conteúdo integra a plataforma UM BRASIL, idealizada pela FecomercioSP, que nesta série conta com a parceria do Columbia Global Center no Rio de Janeiro e do Lemann Center for Brazilian Studies da Universidade Columbia.

As gravações aconteceram em Nova York, entre os dias 16 e 20 de novembro de 2015. Confira aqui a íntegra da entrevista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.