Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Presidente do BB diz que controle de preço, como no cheque especial, pode virar 'monstrengo'

Questionado por Kim Kataguiri sobre a medida do BC para o cheque especial, Novaes foi taxativo: 'sou contra qualquer controle de preços'

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2019 | 19h14

BRASÍLIA - O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, criticou nesta terça-feira, 10, a iniciativa do Banco Central de fixar um limite para a cobrança de juros no cheque especial. Questionado pelo deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) sobre a medida do BC para o cheque especial, Novaes foi taxativo: “sou contra qualquer controle de preços”.

“Tenho idade para ter visto no passado a criação do Conselho Interministerial de Preços (CIP), sob a alegação de que havia margens excessivas”, comentou Novaes, durante audiência pública. “Os controles de preços, que começaram com as mais belas justificativas, se transformaram com o tempo em um monstrengo”, acrescentou.

Instituído em agosto de 1968, durante o governo militar, o CIP era um órgão através do qual o governo fixava e executava a política de preços no mercado brasileiro.

No fim de novembro, o governo de Jair Bolsonaro decidiu limitar a 8% ao mês os juros cobrados pelos bancos no cheque especial, mas permitiu que as instituições cobrem uma tarifa mensal para oferecer o produto a seus clientes. A medida, formulada pelo Banco Central, foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Segundo o BC, a mudança tem o objetivo de tornar o produto menos “regressivo”, ou seja, de penalizar os mais pobres, considerando que o cheque especial é hoje utilizado principalmente por clientes de menor poder aquisitivo.

Ao tratar do assunto, Novaes criticou o argumento utilizado pelo BC para defender a medida, o de que existe uma “filha de mercado” que justifica a fixação de limites no cheque especial. De acordo com o presidente do Banco do Brasil, “a emenda pode sair pior que o soneto”.

Rubem Novaes participou hoje de audiência pública na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados, em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.