Presidente do Bird faz duras críticas aos países ricos

O presidente do Banco Mundial, James Wolfensohn, criticou nesta terça-feira os países ricos por gastarem em defesa e em subsídios agrícolas bilhões a mais do que em ajuda aos pobres. ?Nosso planeta não está equilibrado?, disse Wolfensohn na reunião anual conjunta entre o Banco Mundial e o FMI, que este ano acontece em Dubai, Emirados Árabes Unidos.Wolfensohn desceu aos detalhes em sua crítica às nações ricas. Ele mencionou, por exemplo, a ajuda dos países ricos aos pobres, que por ano fica em torno de US$ 56 bilhões. Como contraponto, citou os gastos militares da ordem de US$ 600 bilhões anuais, e também os subsídios dados pelos governos de países desenvolvidos a seus agricultores, da ordem de US$ 300 bilhões anuais. ?Muito poucos controlam muito, e pessoas demais têm escassas esperanças. Há agitação demais, guerras demais, sofrimento demais?, declarou o presidente do Banco Mundial. Wolfensohn tocou no ponto central da argumentação do Brasil e outros países em desenvolvimento na conferência da Oraganização Mundial do Comércio em Cancún: ?É contraditório advogar os benefícios do livre comércio e manter altos subsídios e tarifas para aqueles produtos nos quais os países pobres têm uma vantagem comparativa?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.