Presidente do BNDES defende compra da BrT pela Oi

Segundo Luciano Coutinho, qualidade de estratégia e alinhamento de acionistas permitirão grande ganho

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

29 de abril de 2008 | 17h58

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, defendeu nesta terça-feira, 29, a compra da Brasil Telecom (BrT) pela Oi, que envolve também uma reestruturação societária na Telemar Participações, controladora da Oi. "A operação tem méritos. Havia um nó societário e entendo que a operação propicia um descruzamento societário superimportante", afirmou, ressalvando que estava "falando em tese, porque a operação ainda não foi aprovada", já que é necessária a mudança da legislação do setor para ser confirmada. Veja também:BNDES desembolsa R$ 70 bi em 12 meses, alta de 24%Megafusão de teles De acordo com Coutinho, "a qualidade de estratégia e o alinhamento de acionistas permitirão grande ganho qualitativo" na criação da nova tele, formada a partir das duas companhias. Para Coutinho, o descruzamento acionário anunciado entre Oi e BrT é maior que o ocorrido no início da década entre a Vale e a CSN, que também contou com o apoio do BNDES. Desta vez, o BNDES está reduzindo sua participação acionária na Telemar de 25% para 16% e financiando a reestruturação societária da empresa com R$ 2,569 bilhões. "Me parece que os méritos compensam os custos em larga medida", afirmou. O executivo considera que, com as mudanças na Telemar, o BNDES não só reduziu, mas também melhorou a liquidez da sua participação na companhia. Ele explicou que os recursos para o financiamento à operação se originam do giro da carteira da empresa de participações do banco, a BNDESPar.  "A carteira está sempre em giro e o giro da carteira é suficiente. O banco está sempre vendendo e comprando", afirmou. Segundo Coutinho, o giro da carteira da BNDESPar deve ser ainda maior neste ano do que foi no ano passado. Ele não revelou, porém, que ações pretende comprar ou vender.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.