André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Presidente do BNDES reduz previsão de desembolsos em 2018

Dyogo Oliveira afirmou que desembolsos devem ficar entre R$ 75 bi e R$ 80 bi neste ano, enquanto seu antecessor, Paulo Rabello, tinha meta de superar os R$ 90 bi

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2018 | 16h18

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo Oliveira, afirmou nesta quinta-feira que é "factível" os desembolsos da instituição de fomento ficarem entre R$ 75 bilhões e R$ 80 bilhões neste ano.

+ Desembolsos do BNDES têm queda de 26% no primeiro trimestre do ano

Para o executivo, o valor é condizente com a esperada recuperação da economia ao longo de 2018, mas a estimativa é mais comedida do que os números que vinham sendo falados na gestão de Paulo Rabello de Castro, que deixou a presidência do BNDES no início do mês para concorrer ao Planalto pelo PSC nas eleições de outubro.

+ Devolução ao Tesouro e 'caso JBS' serão desafios do novo presidente do BNDES

No fim de janeiro, Rabello disse a jornalistas em São Paulo que o BNDES tinha como meta para 2018 superar os R$ 90 bilhões de desembolsos.

Também no início do ano, durante as discussões sobre as regras para pagar a participação nos lucros e resultados (PLR) aos funcionários em 2018, a diretoria do BNDES chegou a propor a meta de desembolsos totais de R$ 94 bilhões como critério para pagar a PLR, mas a ideia acabou vetada no conselho de administração.

+ ‘BNDES competir com o mercado é uma estupidez’

Em 2017, o BNDES liberou R$ 70,751 bilhões, queda nominal (sem descontar a inflação) de 20% em relação a 2016. O valor desembolsado no ano passado foi o menor desde 1999, quando o volume foi de R$ 67,859 bilhões, em valores atualizados. No primeiro trimestre deste ano, o valor desembolsado foi de R$ 11,153 bilhões, 28% a menos do que em igual período de 2017.

+ 'Ciclo de crescimento do País durará de 10 a 12 anos', diz Dyogo

Questionado se liberar até R$ 80 bilhões neste ano não seria pouco, dada a recuperação da economia, Oliveira lembrou que os investimentos tendem a cair mais durante as recessões. Por isso, os desembolsos tenderão a crescer ao longo do ano. "Não é pouco, porque não é que o BNDES não tenha dinheiro. Não temos demanda (por crédito para investimentos)", disse Oliveira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.