Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Presidente do BSI garante que banco está sólido

Comprado pelo BTG no ano passado, banco suíço vive fuga de clientes, mas CEO diz que montante é ‘absolutamente suportável’

Jamil Chade, correspondente, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2015 | 09h53

GENEBRA - O banco suíço BSI, comprado no ano passado por André Esteves, vive uma fuga de clientes desde a prisão do brasileiro que comandava o BTG Pactual. Mas o presidente da instituição, Stefano Coduri, garante que, por enquanto, a situação da instituição financeira é sólida. “O montante (de fuga de clientes) é absolutamente suportável”, disse. “Os clientes sabem que o BSI trabalha de uma forma independente em relação ao BTG”, garantiu em entrevista ao jornal suíço Finanz und Wirtschaft.

Coduri, porém, admite que a situação do banco precisa ser resolvida, principalmente diante das especulações sobre a venda do BSI pelo Pactual. “A duração de tal processo é difícil de prever”, indicou o executivo, garantindo que a situação está “sob controle.” “Mas o tempo joga contra nós. Nossos clientes têm confiança no banco, mas ela não é infinita.”

Esteves comprou o BSI em meados de 2014. Mas a agência reguladora do mercado financeiro suíço – a FINMA – demorou mais de um ano para autorizar a operação. Só em setembro, com garantias oficiais do Brasil, o BTG acabou ganhando o sinal verde e o negócio foi fechado por US$ 1,5 bilhão.

Agora, as indicações apontam que os clientes latino-americanos estariam retirando seus recursos do BSI. “Os problemas enfrentados pelo BTG oferece a eles (clientes latino-americanos) a possibilidade de deixar o banco ou reduzir suas posições nele”, explicou Corduri.

No BSI, os clientes latino-americanos chegam a representar 15% dos ativos sob gestão no banco. Em alguns casos, os recursos foram investidos em imóveis. Mas parte foi de fato interrompida. Corduri, porém, garante que não existe risco de que o BSI sofra com suas operações. “Nosso lucro bruto atingiu um nível recorde, jamais obtido desde a crise”, afirmou.

Colocado à venda em 2012, o BSI precisou de dois anos para encontrar um comprador. Quando o BTG apareceu, o sentimento no mercado financeiro suíço foi de alívio. Agora, segundo o jornal suíço Le Temps, seria o Credit Suisse quem estaria interessado em adquirir o banco. Mas oferece apenas US$ 1 bilhão pela instituição financeira.O BTG não comentou o assunto.

Tudo o que sabemos sobre:
André Esteves

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.