Presidente do Equador diz que Chevron é inimiga do país

O presidente do Equador, Rafael Correa, classificou a gigante de petróleo norte-americana Chevron como inimiga do país. Segundo Correa, a empresa prejudicou o Equador em uma longa batalha judicial sobre um caso de poluição no Amazonas.

AE-DJ, Agencia Estado

17 de agosto de 2013 | 17h53

No ano passado, um tribunal do Equador ordenou a Chevron a pagar US$ 19 bilhões por poluir a floresta tropical. O caso ainda está não terminou e Correa disse que a empresa gastou US$ 400 milhões e contratou um exército de centenas de advogados para desacreditar o governo equatoriano e obter a sentença anulada em recurso na mais alta corte do país.

"Vamos dizer à América Latina o que a Chevron tem feito em nosso país para escapar de suas responsabilidades, com essa campanha criminosa que está travando contra o Equador", disse Correa.

A Chevron nunca trabalhou diretamente no Equador, mas herdou o processo de poluição quando adquiriu a Texaco em 2001. A Texaco operou no Equador entre 1964 e 1990. As informações são da Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorRafael CorreaChevon

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.