Presidente do Ibama assina licença prévia de Angra 3

Documento traz 60 exigências que a estatal Eletronuclear terá que cumprir para construir usina

Leonardo Goy, da Agência Estado,

23 de julho de 2008 | 16h02

O presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Roberto Messias, assinou nesta quarta-feira, 23, a licença ambiental prévia da usina nuclear Angra 3, no Rio de Janeiro. Segundo o Ibama, o documento contém 60 exigências que terão de ser cumpridas pela estatal Eletronuclear, responsável pela obra, para a construção ser iniciada. O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, disse na terça, ao anunciar a concessão da licença prévia, que as exigências seriam "brutais". Mencionou, entre elas, a solução definitiva do tratamento do lixo nuclear, a criação de um sistema independente de monitoramento dos níveis de radiação, a realização de obras de saneamento básico dos municípios de Angra dos Reis e Paraty e a gestão do Parque Ecológico da Serra da Bocaina. Além dessas quatro condicionantes, o Ibama está exigindo, entre outras medidas, a implementação de programas de educação ambiental e assinatura de convênios para beneficiar postos de saúde da região. A usina nuclear de Angra 3 exigirá investimentos de R$ 7,3 bilhões e terá capacidade para gerar 1.350 megawatts. O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, havia previsto para setembro o começo das obras, mas elas só podem ser iniciadas após a concessão da chamada licença de instalação, etapa posterior à licença prévia concedida nesta quarta e condicionada ao cumprimento das exigências.

Tudo o que sabemos sobre:
Angra 3EnergiaPrograma Nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.