Presidente do IBGE nega falha em divulgação de ponderações do IPCA

Nota técnica com o novo peso de grupos e itens foi divulgada no site do instituto e teve repercussão imediata no mercado futuro, com queda nos contratos de juros

Daniela Amorim, da Agência Estado,

29 de novembro de 2011 | 20h39

A presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Wasmália Bivar, negou, em entrevista exclusiva à Agência Estado, que o instituto tenha falhado ontem na divulgação das novas ponderações para o cálculo da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Uma nota técnica com o novo peso de grupos e itens foi divulgada no site do instituto e teve repercussão imediata no mercado futuro, com queda nos contratos de juros, por conta de revisões de economistas para uma taxa de inflação menor em 2012.

De acordo com Wasmália, a divulgação dos novos pesos do IPCA foi feita nos mesmos moldes que a ocorrida em dezembro de 2005, quando também houve mudança no índice.

"Não houve falha de jeito nenhum, nem falha técnica, nem institucional, nem falha nos nossos princípios. O que está acontecendo é que começou um monte de especulação com o que vai acontecer com o índice de preços, mas não é papel do IBGE discutir isso", disse Wasmália.

Segundo a presidente do instituto, o IBGE abriu uma sindicância para investigar o vazamento de informações de indicadores desde maio deste ano, quando houve uma mudança no sistema de publicação do site do instituto. O anúncio sobre o vazamento foi feito no último dia 11 de novembro.

"Montamos uma sindicância a respeito de todo o processo que aconteceu. E, paralelamente a isso, montamos um comitê para analisar todos os procedimentos, afora obviamente os procedimentos de divulgação da internet que começaram a ser verificados a partir do momento em que ocorreu aquele fato. Mas, mesmo assim, estamos revendo com um grupo maior, incluindo várias áreas do IBGE, todos os procedimentos", afirmou Wasmália.

Segundo a presidente do IBGE, o maior prejuízo causado pelo vazamento foi à imagem do instituto. "O vazamento induz obviamente à questão da imagem de competência técnica que o IBGE passa, arranha essa imagem de competência técnica. Mas nós tínhamos um compromisso de transparência com a sociedade brasileira do que acontece no IBGE. Isso está acima de qualquer outro valor. Então notificamos exatamente tudo o que aconteceu da nossa falha e admitimos", declarou Wasmália

Novas regiões

Wasmália disse ainda que o instituto planeja ampliar a cobertura do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para outras regiões, o que pode acontecer ainda em 2012.

"Já temos duas áreas a serem incorporadas, mas só faremos isso anunciando com bastante antecedência", contou Wasmália Bivar. "Há dois Estados - Mato Grosso do Sul e Espírito Santo - em que houve levantamento de preços. Já estamos fazendo cálculos. E temos uma programação de forma a ampliar para o território nacional".

Segundo Wasmália, os levantamentos do MS e ES podem ser incorporados ao índice já em 2012. Atualmente, o IPCA é calculado em nove regiões metropolitanas do País, além de Brasília e do município de Goiânia.

Tudo o que sabemos sobre:
IBGEIPCAjuro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.