Gabriela Biló/ Estadão
Gabriela Biló/ Estadão

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Presidente do PT quer CPI da 'caixa-preta' do BNDES

Gleisi Hoffmann disse que vai se reunir com os parlamentares da sigla para cobrar 'auditoria da auditoria'

Patrik Camporez, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2020 | 20h58

BRASÍLIA - A presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, disse que vai se reunir com os parlamentares da sigla para cobrar "auditoria da auditoria" que custou R$ 48 milhões ao BNDES, com o objetivo de abrir a "caixa-preta"de operações do banco com o grupo J&F entre 2005 e 2018. O resultado não apontou irregularidades.

“Vai ser conversado na próxima reunião de bancada do PT. Já estamos conversando com os líderes para ver quais serão as medidas. O Partido dos Trabalhadores vai cobrar uma auditoria da auditoria do BNDES.  E também acho fundamental o TCU (Tribunal de Contas da União) auditar essa auditoria que foi feita no BNDES”, defendeu Gleisi, em entrevista ao Estado.

 

Mais cedo, por meio de sua conta no Twitter, a presidente do PT chegou a afirmar que a auditoria feita pela empresa estrangeira Cleary Gottlieb Steen & Hamilton deve ser “objeto” de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). “A cada dia essa história fica pior, um reajuste de 25% no contrato só para agradar golpistas que acusavam o PT levianamente! Devem muitas explicações, isso é objeto de CPI!”, disse Gleisi.  

Desde segunda-feira, o Estado tem publicado uma série de reportagens a respeito do contrato do banco com a Cleary Gottlieb. Na rede social, a petista destacou a informação de que, sob gestão do economista Gustavo Montezano, o BNDES aumentou em US$ 3,5 milhões de dólares, cerca de R$ 15 milhões, o valor da auditoria que prometia abrir a "caixa-preta" da instituição. 

No ano de 2014, o Cleary venceu um edital de licitação do BNDES  que pretendia contratar escritórios estrangeiros na área de consultoria do direito e comércio de aviões. Nas suas 131 páginas, o edital nem sequer fazia referência ao termo auditoria. 

Em fevereiro de 2018, no entanto, o contrato serviu de base para a contratação milionária da empresa estrangeira, que subcontratou outro escritório brasileiro para fazer a auditoria. O BNDES, procurado pela reportagem, tem se recusado a explicar o objetivo da mudança do objeto do contrato de 2014.

 

Para Gleisi, a “história” da caixa-preta foi uma forma de criminalizar o PT, suas lideranças, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ex-ministros, técnicos do BNDES e a diretoria. 

“Fomos vítimas de uma ação orquestrada contra as ações e operações do BNDES, levando a entender que eram irregulares. O que tinha na realidade era o objetivo de criminalizar uma política de desenvolvimento do País. O BNDES é um órgão importante de fomento, ao desenvolvimento industrial e sempre foi utilizado nesse sentido. Então, quando fizeram isso, fizeram de caso pensado para criminalizar uma política que foi implantada a partir do BNDES. O presidente Bolsonaro fez campanha em cima da caixa-preta, que nunca existiu.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.