Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Presidente do Sincopetro diz que abastecimento em SP está se normalizando

Gouveia disse ainda que companhias trabalharão no feriado e que postos estão com estoque para suportar greve dos petroleiros

Elizabeth Lopes, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 08h17

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo do Estado São Paulo (Sincopetro), José Alberto Paiva Gouveia, disse há pouco, em entrevista à rádio Eldorado, que o abastecimento de combustíveis nos postos da Capital está se normalizando em um ritmo acelerado. "A coisa está melhorando rápido em São Paulo, as filas continuam, mas a  coisa começa a se resolver, ficando mais tranquilo ao consumidor. A promessa das companhias é que irão trabalhar também no feriado, para normalizar a situação, entre segunda e terça-feira (dias 4 e 5), tudo já voltará ao normal", disse Gouveia.

+ ACOMPANHE AO VIVO Em apoio à greve dos caminhoneiros, petroleiros iniciam paralisação

+ Veja o que funciona hoje em São Paulo

Indagado se a greve iniciada hoje pelos petroleiros poderá afetar o abastecimento, o presidente do Sincopetro disse que a princípio isso não irá acontecer porque as companhias já estão com estoque, pois não fizeram distribuição nesses dias de greve dos caminhoneiros. Contudo, destacou que se a greve dos petroleiros durar mais do que o previsto (a categoria fala em uma greve de 72 horas), os problemas de abastecimento no setor poderão voltar. 

Em oito dias de greve, perdas de grandes setores já superam R$ 34 bi

Gouveia disse ainda que desde a tarde de ontem, os caminhões com combustível já estão fazendo as entregas sem escolta. Segundo ele, ocorreram aumentos exagerados de preços em alguns postos, mas foram casos pontuais. "Neste caso, o consumidor tem que penalizar, não voltando mais a esse local". 

+ País tem três bloqueios totais e 616 'interrupções' em rodovias federais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.