Presidente do STJ critica longa duração da greve dos bancários

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Edson Vidigal, afirmou que está preocupado com a longa duração da greve dos bancários e o fato de ela poder prejudicar o pagamento dos aposentados. Vidigal associou este gesto dos bancários com a paralisação de três meses feita pelos servidores do Poder Judiciário em São Paulo."É inadmissível um movimento reivindicatório se pondo na contramão de outros interesses sociais. É preciso pensar nas pessoas menos aquinhoadas, como é o caso dos aposentados. Afinal de contas, o que eles têm a ver com as divergências entre patrões e empregados", afirmou.Vidigal avalia que o comando de greve poderia ter montado algum tipo de esquema especial para atender os aposentados. "Seria mais interessante que o sindicato dos bancários articulasse um plantão para que as categorias menos favorecidas não fossem tão prejudicadas", disse.JudiciárioO presidente do STJ já tinha se manifestado duramente contra a greve do Judiciário paulista, na semana passada, defendendo a intervenção no governo do Estado para que os efeitos negativos da paralisação de três meses pudessem ser resolvidos. Vidigal foi criticado por grevistas e pelas autoridades do governo paulista, mas o peso de sua crítica acabou sendo um dos fatores importantes para o fim da greve, na mesma semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.