Presidente do TST participa da conferência da OIT

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Vantuil Abdala, participará, a partir de segunda-feira até o dia 10, da Conferência Internacional do Trabalho, em Genebra. A agenda desta 92ª sessão da Organização Internacional do Trabalho (OIT) destacará a necessidade de uma globalização justa e equitativa, defendida logo na abertura da reunião, no dia 1º, pelo diretor geral da entidade, Juan Somavia. Ele advertiu que a estabilidade global está em risco e depende de medidas urgentes como a geração de emprego com o objetivo de reduzir a pobreza e a promoção do desenvolvimento por meio do trabalho decente. O presidente do TST disse que o desemprego no Brasil e no mundo, que atinge cerca de 185 milhões de pessoas, é o principal indicador da gravidade do alerta feito pelo diretor geral da OIT. Segundo Vantuil, "o que se verificou nos últimos anos, no País, foi a concentração de riqueza nas mãos de uma minoria em contraposição ao empobrecimento de muitos, o aumento do número de desempregados e a redução do salário médio". Para ele, "é notório que as distorções e contradições da globalização implicaram a extinção de muitos postos de trabalho, mas o grande desafio para os governos é a promoção do desenvolvimento econômico capaz de produzir novos empregos".A conferência da OIT, que prossegue até o dia 17, reúne cerca de três mil delegados, incluindo chefes de Estado, ministros do trabalho e líderes de trabalhadores e empregadores de todos os 177 estados membros da OIT. Cada nação tem o direito de enviar quatro delegados para a Conferência: dois do governo, um representante de trabalhadores e um dos empregadores, cada um com direito a fala e voto independente. Os ministros José Simpliciano Fernandes e Emmanoel Pereira, do TST, participam da sessão como observadores governamentais.

Agencia Estado,

04 de junho de 2004 | 11h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.