Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Presidente do UBS quer futuro menos arriscado--comunicado

O presidente-executivo interino do UBS, Sergio Ermotti, pediu a colaboração de funcionários para tornar o banco menos complexo e arriscado em um comunicado interno, após a companhia apurar perda de 2,3 bilhões de dólares em transações consideradas ilegais.

REUTERS

28 de setembro de 2011 | 16h12

"O incidente de transações não autorizadas frustrou profundamente todos nós. Ele foi um revés para nossos esforços de ganhar novamente a confiança e fazer do UBS um banco líder para nossos clientes", afirmou Ermotti no documento ao qual a Reuters teve acesso.

"Não tenho uma receita mágica para inspirá-los e redobrar seus esforços. Só posso apelar para seu profissionalismo, lealdade e determinação em ter sucesso", disse a funcionários na quarta-feira.

O UBS deve revelar como planeja realizar uma redução de sua unidade de investimentos em novembro, afirmando que deseja retornos mais confiáveis e menor complexidade, à medida que busca se recuperar do escândalo que forçou seu presidente-executivo Oswald Gruebel a renunciar no sábado.

Ermotti disse que pretendia exercer sua autoridade para apoiar e concluir investigações internas e externas sobre a perda, e analisar a eficácia e a eficiência do modelo operacional do banco.

"Já começamos a trabalhar nisso", afirmou o executivo no comunicado.

O banco insiste em se ater a seu modelo de negócios de "banco integrado" que une um banco de investimentos a serviços de private banking para clientes mais endinheirados, embora o banco de investimentos vá encolher em prol do gerenciamento de fortunas.

"O banco de investimentos (do UBS) está entre os maiores em muitos segmentos e é uma parte essencial do processo de atendimento às expectativas de nossos clientes privados, corporativos e institucionais", disse Ermotti.

"Continuaremos a investir em nossas habilidades principais, embora o banco de investimentos, em uma visão geral, vá ser menos complexo, carregar menos risco e usar menos capital".

(Reportagem de Silke Koltrowitz e Edward Taylor)

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSUBSCOMUNICADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.