finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Presidente-executivo da Varig pode renunciar hoje

A Varig deve anunciar hoje a consultoria e o banco que farão parte da fase de recuperação judicial da empresa, que amarga dívida de R$ 9 bilhões. A informação é do vice-presidente do Conselho de Administração da Varig, Omar Carneiro da Cunha, que não revelou nomes. Fontes que acompanham as negociações informaram também que o presidente-executivo, Henrique Neves, pode apresentar hoje sua carta de demissão, apenas dois meses após assumir o posto, por estar descontente com sua função na companhia.As mudanças serão discutidas durante reunião do Conselho de Administração da Varig. O presidente dessa instância, David Zylberzstajn, teve de cancelar compromissos nos Estados Unidos e voltar em caráter de urgência ao País, para participar do encontro, contam pessoas que acompanham de perto o dia-a-dia da Varig. Cunha negou que Neves estaria demissionário e que ele próprio assumiria a presidência-executiva, conforme pessoas próximas relatam, deixando assim uma vaga aberta no Conselho de Administração, que pode ser indicada pela Fundação Ruben Berta (FRB), controladora da Varig. Segundo o executivo, por volta das 10h30 de segunda-feira Neves se sentiu indisposto e pediu para descansar. Cunha teve que assumir compromissos já marcados pelo presidente, o que poderia ter gerado os rumores."Hoje (ontem) falei com ele (Neves), que está bem melhor. Ele deve participar da reunião de amanhã (hoje)", relata Cunha. Executivos da Varig e o mercado, no entanto, dão como certa a saída do presidente-executivo. Caso isso aconteça, será a oitava troca de comando em cinco anos. Fontes do setor contam que Neves estaria descontente com sua posição de "rainha da Inglaterra", na qual fica exposto como executivo reconhecido pelo mercado, mas acaba não participando das decisões mais importantes da companhia.Cinco instituições financeiras são candidatas a se tornar advisor da Varig e três consultorias estão no páreo para coordenar a recuperação, calcula Cunha. Entre os bancos, relatam fontes do mercado, concorrem nomes como Merrill Lynch, Citibank, UBS e Unibanco. Do lado das consultorias estariam a Bain & Company, que já trabalhou para a Varig, Seabury e Booz Allen Hamilton.Credores - A General Electric (GE) Motores e a BR Distribuidora estão com recursos na Justiça para bloquear recebíveis de cartão de crédito da Varig e amortizar dívidas da companhia aérea. O pedido da BR não foi negado ontem, conforme informado pelo escritório Sérgio Bermudes, contratado pela Varig para o caso, e ainda está sendo apreciado por novo relator. A GE conseguiu que os recursos sejam depositados em conta conjunta com a Varig, que deve US$ 60 milhões para a GE e R$ 56 milhões para a BR, mais crédito de R$ 40 milhões para a compra de combustível que tem de ser pago a cada 10 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.