Presidente paquistanês virá ao País para intensificar comércio

O presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, vem a Brasília neste fim de semana e a expectativa do Itamaraty é de que a visita leve ao incremento do comércio bilateral. Além do Brasil, Musharraf visitará Argentina, México, os EUA, o Reino Unido e a França; em sua comitiva virão os ministros paquistaneses das Comunicações, da Ciência e das Privatizações, além de vários empresários do país. "O comércio entre Brasil e Paquistão ainda é modesto, mas tem muito espaço para crescer", disse Edmundo Fujita, subsecretário para Assuntos Asiáticos do Ministério das Relações Exteriores. "Nossas relações políticas com a América Latina são boas, mas elas precisam ser consolidadas por meio de relações econômicas e comerciais", disse Musharraf antes de embarcar em Islamabad.Em 2003, o comércio entre Brasil e Paquistão totalizou US$ 50 milhões, sendo que apenas US$ 5 milhões corresponderam a exportações paquistanesas para o Brasil. As exportações do Paquistão para todos os seus parceiros comerciais somaram US$ 11 bilhões no ano passado. Nas reuniões entre Musharraf e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverão ser assinados acordos bilaterais nas áreas de assistência alimentar, cooperação no combate ao narcotráfico, regulamentação na concessão de vistos e mecanismos para consultas políticas.Também existe a possibilidade de acordos para investimento na área de energia, inclusive a de a Petrobras participe da exploração de petróleo no litoral do Paquistão. Como os dois países são grandes produtores de açúcar, também é possível um acordo de intercâmbio de tecnologia para a produção de álcool. Funcionários brasileiros também falaram na possibilidade de cooperação no setor bancário, já que o maior banco comercial do Paquistão, o Habib Bank Ltd., foi privatizado recentemente. O setor têxtil também ofereceria oportunidades para joint ventures entre companhias entre os dois países. Empresários brasileiros e paquistaneses vão se reunir em São Paulo na próxima terça-feira para examinar essas possibilidades. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.