Presidente suíço defende bancos acusados pela PF

Contrariando as investigações da Polícia Federal (PF) brasileira, o presidente da Suíça, Pascal Couchepin, garantiu que os bancos UBS e Credit Suisse são inocentes nos processos de lavagem de dinheiro e na prisão de executivos suíços no Brasil nos últimos meses. "A política oficial dos bancos suíços é de não tolerar nenhum lavagem de dinheiro?, afirmou. Os esquemas revelados pela PF teriam somado R$ 1 bilhão em sonegação de impostos e evasão de divisas. "Não há nenhuma indicação de que os bancos estejam envolvidos em ações criminosas. Esses incidentes foram cometidos fora das atividades dos bancos?, afirmou Couchepin.No fim de 2007, executivos suíços do UBS foram presos pela PF por suspeita de envolvimento em esquema de lavagem de dinheiro e uso de doleiros no Brasil. Um ano antes, a PF havia detido um gerente do Credit Suisse, Peter Schaffner, e apreendido computadores do banco. Schaffner, que obteve habeas-corpus, conseguiu sair do Brasil para evitar o processo. Para não voltar ao País e escapar do interrogatório da PF, ele alegou ter síndrome do pânico e, por essa razão, não poderia viajar de avião.No caso mais recente, a PF prendeu os gerentes Luc Mark Depensaz (UBS) e Reto Buzzi (do Clariden Leu) na Operação Kaspar 2, sob acusação de evasão de divisas. Depensaz teria dito à PP ?que quem tem dinheiro no Brasil não fica preso?. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.