Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Preso acusado de fraudar banco Société Générale

O operador francês Jérôme Kerviel, acusado de provocar um rombo de 4,9 bilhões de euros no banco Société Générale, foi preso de novo hoje por ordem do Tribunal de Apelação de Paris. Para os juízes que analisaram o caso, ele poderia fugir. Kerviel foi encaminhado para a prisão La Sante, próxima do centro da capital francesa, onde ficam os presos acusados de crimes que no Brasil seriam chamados de "colarinho branco".Kerviel, de 31 anos, estava em liberdade sob controle judicial desde 28 de janeiro, quando foi processado por abuso de confiança, falsificação e intromissão em sistema de tratamento de dados de informática. Segundo o Société Générale, Kerviel fez operações ilegais no mercado futuro de bolsas de valores européias que correspondem a um montante superior a ? 50 bilhões (valor maior que o da própria instituição). O Ministério Público havia solicitado desde o início a detenção preventiva do operador e recorreu da decisão dos juízes de instrução que apontaram que o controle judicial era suficiente. A procuradoria afirmava que havia "riscos de reunião com eventuais cúmplices" e era necessário evitar o desaparecimento de provas enquanto se esclarecia "o mecanismo completo da fraude". A advogada de Kerviel, Elisabeth Meyer, anunciou que na segunda-feira recorrerá à Corte Suprema. "Não consigo explicar essa decisão", disse. Segundo ela, nada tinha mudado desde que os juízes instrutores optaram por deixá-lo em liberdade sob controle judicial. O advogado do Société Générale, Jean Veil, disse que o Tribunal de Apelação não podia deixar de ser sensível ao recurso da promotoria, "perante a discrepância entre as declarações de Kerviel e a verdade".Um operador da Corretora Fimat, filial do Société Générale, foi interrogado hoje pelos agentes que averiguam a fraude no banco francês para saber se houve alguma cumplicidade com Jérôme Kerviel, até agora único acusado pelo prejuízo de ? 4,9 bilhões ao banco. Para muitos analistas, Kerviel dificilmente agiu sozinho.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

08 de fevereiro de 2008 | 20h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.