finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Presos mais dois acusados de fraude

Detidos tentavam sacar dinheiro depositado por doleiro, em esquema de evasão de divisas descoberto pela PF

Rodrigo Pereira, O Estadao de S.Paulo

09 de novembro de 2007 | 00h00

A Polícia Federal prendeu ontem em Curitiba duas pessoas que tentaram sacar dinheiro movimentado pelo grupo preso na terça-feira na Operação Kaspar 2. Ao todo, 22 pessoas já foram presas, entre empresários, doleiros e executivos de bancos suíços e americanos por esquema de evasão de divisas, que teria causado um rombo de R$ 1 bilhão ao Tesouro. Um dos presos de ontem foi autuado em flagrante ao tentar sacar um cheque administrativo no valor de R$ 172 mil. Com ele foi encontrado um outro cheque, no mesmo valor, e dinheiro, que não foi contado pela PF de Curitiba até ontem à noite. A PF acredita que ele faria saques em diferentes agências.O segundo preso teria tentado facilitar o saque, driblando o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O dinheiro que seria sacado ontem foi depositado pelo doleiro Michel Spiero entre os dias 29 de outubro e 5 de novembro, véspera da operação. Spiero é parente de Claudine Spiero, apontada nas investigações como o elo entre os bancos estrangeiros e os empresários.Não foram divulgados os nomes dos presos de ontem, mas a PF afirmou que o filho de Claudine, Daniel Spiero, e o suíço Marc Henri Dizerens, do UBS, continuam foragidos. A PF informou que incluiu no inquérito o deboche do executivo do UBS, Luc Mark Depensaz. Ao ser preso, ele disse que "quem tem dinheiro neste país não fica preso". O Ministério Público Federal só analisará a declaração após receber o inquérito da PF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.