Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Pressão de credores leva FMI a adiar socorro à Islândia

Disputa sobre depósitos em moeda estrangeira nos bancos islandeses estatizados dificulta ajuda

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

13 de novembro de 2008 | 19h07

O Fundo Monetário Internacional (FMI) adiou a aprovação do pacote de socorro à Islândia. A decisão foi motivada pelas preocupações de outros potenciais credores do país sobre como será resolvida uma disputa relacionada a depósitos bancários, informou um porta-voz do Fundo.  David Hawley, conselheiro sênior de relações externas do FMI, disse em entrevista coletiva à imprensa que o pacote de US$ 6 bilhões - que inclui US$ 2,1 bilhões do Fundo - tem de ser plenamente financiado antes que o conselho executivo possa aprová-lo. "Ainda estamos no processo de assegurar que temos o financiamento necessário. Já fizemos progressos e esperamos uma reunião do conselho no devido tempo", afirmou. Ao ser questionado se o adiamento está relacionado a compromissos do fundo com outros países, ele disse que existem questões pendentes "levantadas por potenciais credores, incluindo o processo para determinar as obrigações da Islândia com relação a depósitos em moeda estrangeira assumidos pelos três bancos estatizados." No mês passado, o governo da Islândia assumiu o controle dos três maiores bancos do país, o Landsbanki Islands, o Glitnir Banki e o Kaupthing Bunadarbanki, na medida que o sistema financeiro doméstico era desintegrado pela crise global.  Vários países, assim como a União Européia (UE), disseram que não vão proporcionar financiamento para o pacote de socorro até que a disputa sobre os depósitos em moeda estrangeira nos bancos islandeses seja resolvida. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FMIIslândiapacote

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.