Pressão sobre câmbio diminui com rolagem de dívida

O mercado de câmbio tende a demonstrar estabilidade durante os primeiros negócios de hoje, ponderando o resultado do leilão de contratos atrelados à variação do câmbio de ontem e avaliando que o vencimento de sexta-feira pode não ter força para gerar pressões da mesma intensidade das que têm sido vistas nas últimas tentativas de rolagem da dívida. Pela primeira vez em alguns meses, o Banco Central conseguiu rolar quase 50% de um vencimento cambial, em sua primeira tentativa. Foram US$ 912,1 milhões ou 48,6% do vencimento total de US$ 1,956 bilhão do dia 1º de novembro. E hoje, o BC tenta rolar o restante do vencimento. A expectativa para essa operação deve ser o principal fator a determinar a trajetória das cotações depois da abertura. Se o BC obtiver novo sucesso, o dólar tende a recuar, segundo especialistas.No noticiário, o destaque continua sendo o cenário político interno e todas as palavras que saírem de Lula e seus assessores. O alvo principal das curiosidades deve ser Antônio Palocci, que vai coordenar a equipe de transição e deve anunciar sua composição ainda nesta semana. Mas a expectativa em torno desses nomes diminuiu um pouco desde que Lula deixou clara a separação entre esse grupo e os nomes que irão compor seu futuro ministério. Os investidores também devem redobrar as atenções em relação aos acontecimentos internacionais, principalmente os norte-americanos. Ontem, a divulgação de números ruins sobre a confiança do consumidor dos EUA afetaram os mercados e realimentaram as incertezas sobre a capacidade que a maior economia mundial terá de se recuperar ainda em 2003. AberturaNa abertura dos negócios, às 9h52, o dólar comercial estava sendo vendido a R$ 3,8000, em queda de 0,39% em relação ao fechamento de ontem. Veja aqui a cotação do dólar dos últimos negócios. Já no mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagavam taxas de 23,180%, frente a 23,410% ao ano negociados ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo operava em alta de 0,42%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.