Pressões e inflação externas estão contidas, avalia Copom

Comitê crê que as condições de liquidez externa continuam mostrando "tendência de normalização"

Fabio Graner e Fernando Nakagawa, da Agência Estado,

17 de dezembro de 2009 | 09h30

Apesar da melhora das condições internacionais, a trajetória dos índices de preços do exterior continuam evidenciando "pressões inflacionárias externas contidas". A avaliação consta do trecho 17 da ata da reunião de dezembro do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada há pouco pelo Banco Central. Ao comentar a evolução do quadro externo, os diretores avaliam que a aversão ao risco e as condições de liquidez dos mercados internacionais "continuam mostrando tendência de normalização na margem".

 

Essa percepção foi construída pela evolução de uma série de fatores que mostram sinais de melhora e que geram impactos em itens como os preços de ativos brasileiros, como em algumas commodities. Os membros do Comitê observam, porém, que essas condições estão sujeitas a reversão. "Dessa forma, a influência do cenário internacional sobre o comportamento da inflação doméstica segue sendo, até o momento, predominantemente benigna", destaca o texto.

 

O documento observa, ainda, que a eventual consolidação da recuperação da economia mundial "poderá ter impacto, ainda que heterogêneo, sobre a dinâmica inflacionária global". A esse fator deve-se somar, segundo o BC, a incerteza gerada pelos efeitos "da inédita expansão da liquidez em economias maduras, tanto sobre o comportamento de preços de ativos como de commodities".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.