Pressões inflacionárias na China aumentam, diz órgão do governo

A China enfrenta uma pressãocrescente de superaquecimento da economia e aumento dainflação, e a política do governo para o próximo ano deve focarem medidas para estabilizar os preços, afirmou nestaquinta-feira o principal instituto de pesquisa do governo dePequim. De acordo com relatório da Academia Chinesa de CiênciasSociais, diversos fatores de longo prazo, e não apenas o saltonos preços de alimentos, estão por trás do aumento da inflaçãodeste ano. Fortes investimentos e crescimento econômico,liquidez excessiva e aumento de salários e dos custos degeração de energia ajudaram a impulsionar os preços aoconsumidor em agosto para o maior patamar em 10 anos, a 6,5 porcento. O relatório, que veio em linha com as diversas declaraçõesdadas por autoridades do instituto e de outros órgãos dogoverno, estima inflação de 4,5 por cento para 2007 e apenas umrecuo modesto, para 4 por cento, no próximo ano. "Controlar aumentos excessivos nos preços aos consumidorese de ativos e reduzir as pressões inflacionárias devem ser aprincipal tarefa da política de ajuste macroeconômica em 2008",afirmou a Academia. (Por Andrew Torchia e Jason Subler)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.