Pressões por mais inflação
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Pressões por mais inflação

Inflação segue disseminada e a falta de solução para conter a alta dos preços dos combustíveis no mercado interno e o risco de deterioração das contas públicas pressionam ainda mais o cenário

Celso Ming*, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 20h10

Dentro de uma panela que vai sendo aquecida aos poucos, o sapo não percebe que está ameaçado de ser cozido vivo. Vai-se acostumando com o calor e, quando se dá conta do perigo que passa, pode ser tarde demais.

Com a inflação também é assim. O consumidor vai se acostumando com o aquecimento dos preços até que, lá pelas tantas, se foi embora seu poder aquisitivo.

A inflação de janeiro ficou em 0,54%, mais baixa que o 0,73% de dezembro. Ainda assim, está muito disseminada e é a mais alta registrada em janeiro nos últimos seis anos. Formou-se bom nível de convicção de que a inflação deste ano será cerca da metade dos 10,06% acumulados em 2021. As principais justificativas para essas projeções são a desaceleração da atividade econômica (e da demanda), a ser produzida pela postura mais agressiva do Banco Central na sua política de juros, e a esperada normalização dos fluxos de bens e serviços no mercado global, responsáveis por grande parte da inflação de custos.

Mas crescem as dúvidas sobre esse resultado. Uma delas tem a ver com o comportamento do mercado de combustíveis. Os preços da gasolina e do diesel no mercado interno estão cerca de 12% “defasados” do que deveriam ser do ponto de vista técnico, segundo a Associação Brasileiras dos Importadores de Combustíveis (Abicom). Portanto, estão à espera de novos reajustes para cima. E os analistas continuam advertindo de que as cotações do barril de 159 litros, nos US$ 91,55 no fechamento do mercado nesta quarta-feira, podem passar dos US$ 100 em alguns meses.

Mas a incerteza maior tem a ver com o risco de deterioração das contas públicas. O Banco Central quase sempre foi frouxo quando se tratava de denunciar os rombos do setor público, provavelmente porque evitou cutucar a onça do governo federal com vara curta. Talvez porque agora conte com o estatuto da autonomia foi bem mais contundente quanto ao estrago sobre a inflação que pode ser produzido pelo jogo dos políticos de descarregar saídas eleitoreiras e populistas para enfrentar a alta dos combustíveis.

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) de autoria do senador Carlos Fávaro (PSD-MT), que a própria área econômica do governo chama de PEC Kamikaze”, prevê renúncias de arrecadação tributária e criação de subsídios com força corrosiva suficiente para produzir um rombo de R$ 110 bilhões nas contas públicas.

O Banco Central advertiu na ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada terça-feira que a redução imediata de preços que pode ser obtida no curto prazo teria tudo para usinar mais inflação estrutural mais à frente.

Porém, em ano de eleições, como este, qual é o político que olha para isso? 

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.