Pressões sobre IPCA de novembro serão as mesmas de outubro

As pressões sobre o IPCA de novembro serão basicamente as mesmas registradas em outubro, que registrou 0,44%, divulgou, nesta quinta-feira, a gerente do Sistema de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos. De acordo com ela, essas pressões deverão estar concentradas no álcool, que subiu 5,31% nas bombas em setembro e deverá prosseguir em alta, já que houve novo reajuste de cerca de 14% do produto nas usinas em novembro); gasolina (que subiu 1,45% em setembro, mas haverá impacto também em novembro, já que o reajuste de 4% foi em 15 de outubro e ainda não foi integralmente captado no IPCA); passagens aéreas (também subiu 5,03% em setembro, mas ainda haverá captação de aumento em outubro); além de telefone fixo (segunda parcela do reajuste, de 3,5% em primeiro de novembro). No caso dos produtos alimentícios, que tiveram queda de 0,23% em outubro e registraram deflação nos últimos dois meses, Eulina disse que o resultado em novembro é imprevisível, pois são produtos "muito voláteis". Segundo ela, "o final do ano é marcado por final de colheita e transição de safra, mas não sabemos qual será o efeito sobre os preços". Aço Eulina explicou ainda que vêm sendo registradas "algumas pressões contínuas de preços" no IPCA neste ano. Segundo ela, a maior parte dessas pressões está relacionada à elevação de custos em conseqüência do reajuste do aço, que já acumulou mais de 50% de aumento neste ano. Como resultado, os eletrodomésticos subiram 8,58% de janeiro a outubro (com pressão de custos também de resinas) e houve aumento acumulado, também, em automóveis novos (12,24%), acessórios e peças para veículos (17,44%) e automóveis usados (11,09%). Outra "pressão contínua" citada por Eulina é do grupo de vestuário, que acumulou reajuste de 7,14%. De acordo com ela, o aumento do vestuário pode estar relacionado a fatores como melhores condições de crédito que elevaram a demanda ou preços elevados do algodão, mas sublinhou que não é possível apontar com precisão os motivos desses reajustes das roupas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.