Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Prestes a colocar mais R$ 2,5 bi no caixa, BTG prepara aquisições na área digital

Para fazer frente a concorrência, turbinada pelo avanço do número de investidores, banco definiu o varejo digital como um dos principais focos; para ir às compras, BTG fará sua segunda oferta de ações na Bolsa em menos de um ano

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2021 | 05h00

O BTG Pactual deverá ir às compras para dar mais musculatura à sua área de varejo digital. O objetivo é fazer frente ao aumento da concorrência de plataformas de investimento, turbinada pela expansão do número de investidores no Brasil. O banco anunciou ontem que fará uma nova capitalização, por meio de uma oferta de ações na Bolsa brasileira, e se prepara para colocar mais R$ 2,5 bilhões no caixa.

A volta ao mercado ocorre cerca de seis meses depois de outra oferta em que o banco levantou, junto a investidores, R$ 2,6 bilhões. O que chamou atenção, segundo fontes, é que o BTG gastou ainda pouco do dinheiro levantado com essa oferta em 2020, o que criou a expectativa de que um movimento maior pode ocorrer. 

De acordo com uma fonte com conhecimento no assunto, o banco deve fazer novas aquisições para fortalecer sua plataforma, mas também viabilizará, com os recursos, o crescimento orgânico de sua área digital, que tem sido uma das prioridades da instituição financeira. 

A fonte frisou que ainda há oportunidades para aquisições, mas que, no momento, “é preciso ter paciência para fazer o movimento ao preço certo”. Em fato relevante, o BTG informou que os recursos da oferta serão destinados para “acelerar iniciativas estratégicas e o crescimento da área de negócios de varejo digital e para manter fortes indicadores de capital e liquidez”.

O banco vem se mostrando agressivo para crescimento na área desde o ano passado. Além de atrair escritórios de agentes autônomos, de nomes grandes antes plugados à XP, o BTG comprou, por R$ 348 milhões, a corretora Necton, que nasceu de uma união entre Concórdia e Spinelli.

Movimentação

A busca por aquisições não é um movimento isolado do BTG. O ano passado foi marcado por diversas compras no mercado de plataformas de investimento. O banco digital Nubank, em uma disputa em que o BTG também participou, arrematou a Easynvest. O Credit Suisse abocanhou uma participação no Modalmais. O Santander avançou no mercado comprando uma fatia na corretora Toro Investimentos. E a fintech Neon adquiriu a corretora da velha-guarda Magliano

Desde que anunciou que venderia sua fatia na XP, o Itaú Unibanco também tem acelerado sua expansão nesse mercado. O Bradesco, por sua vez, repaginou a Ágora, a sua plataforma para pessoas físicas. Após tanta movimentação, os ativos de maior peso do mercado começam a ficar mais escassos. Entre os que ainda estão disponíveis está a Guide, da chinesa Fosun, que procura um comprador.

Por trás da corrida por expansão está o cenário de juros baixos no Brasil, na mínima de 2% ao ano, o que tem atraído novos investidores ao mercado, em busca de rentabilidade. O número de novos investidores pessoas físicas na bolsa brasileira mais do que dobrou em 2020, com a renda fixa menos atrativa em termos de retorno. 

Para o BTG, depois de investimentos em sua plataforma digital na casa de R$ 800 milhões de 2014 até agora, atrair mais agentes ajudará no ganho de escala do negócio e na redução de custos fixos.

Estratégia

Para ampliar o leque de produtos, trazer novos clientes e manter os atuais frente ao aumento da concorrência nesse mercado, o BTG anunciou, no ano passado, a chegada dos serviços bancários em sua plataforma, tais como cartões e a possibilidade de pagamentos de boletos, reforçando a unidade de varejo digital, o que marcou sua entrada nos serviços bancários. A XP também fez um anúncio do tipo, na briga para que seus clientes deixem os grandes bancos e mantenham a vida financeira concentrada na plataforma.

A ação do BTG na B3 encerrou o dia com alta de 0,28%. Segundo o analista do Terra Investimentos, Régis Chinchilla, a oferta tende a pressionar a ação no curto prazo, mas frisou que os fundamentos da instituição financeira “seguem sólidos”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.