Previ reinicia discussões sobre reforma estatutária

A diretoria da Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, começa a estudar a revisão da reforma estatutária concluída em julho, depois de 52 dias de intervenção federal na administração da entidade. Com a maior probabilidade de vitória do PT nas eleições presidenciais, já está sendo cogitada na Previ a reversão das medidas tomadas pelo Ministério da Previdência, em decorrência do não cumprimento de metas estipuladas pelo governo para as fundações de previdência privada."Certamente será reaberta a discussão, já que todos os participantes da Previ foram contrários à reforma estutária", diz Sérgio Rosa, um dos diretores atuais e que foi afastado durante o período de intervenção. Ele destaca dois pontos básicos a serem reavaliados - a instituição do voto de minerva, que dá à direção do banco o direito de desempate em caso de impasse, e a suspensão da eleição direta para diretoria do fundo, que passou a ser indicada pelo Conselho Deliberativo.Sindicalista e vinculado ao PT, Rosa foi um dos três diretores eleitos pelos funcionários do BB para integrar a diretoria. Amigo de um dos mais influentes políticos do partido, o senador eleito Aloízio Mercadante, ele comenta que não houve, até agora, vazamento dos nomes cogitados para a diretoria do BB nem da Previ, no caso de vitória de Luiz Inácio Lula da Silva. "O partido está tratando dessa questão num plano absolutamente profissional", afirma Rosa.O atual presidente do fundo, Luiz Tarquínio Sardinha Ferro, não acredita em mudanças profundas, que exigiriam, também, a alteração da legislação que passou a reger os fundos de pensão este ano. Uma das modificações cruciais foi a tributação das operações dessas entidades, antes isentas do pagamento de tributos como o Imposto de Renda. Ele admite, porém, a possibilidade de rediscussão de questões específicas."Não acredito em coisas radicais. Acho até provável que haja aperfeiçoamentos, que sejam naturais, em vista de alguma coisa que escapou à análise. Mas não existe espaço para mudanças radicais, de 180 graus, a menos que estas mudanças sejam resultado de uma percepção de uma grande maioria", afirma Tarquínio, indicado para o cargo pela atual direção do BB e nomeado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso.A Previ administra ativos de R$ 39,5 milhões e participou ativamente do programa de privatizações promovido pelo governo federal. É acionista de cerca de cem empresas nacionais, entre elas a Ambev, Vale do Rio Doce, Aracruz, Belgo-Mineira, Embraer, Embratel, Sadia, Perdigão, Seara, Telemar, Gerdau, Votorantim. No mês passado, o fundo pagou à Receita Federal uma dívida de R$ 1,760 bilhão de Imposto de Renda, objeto de negociação que se estendeu por meses a fio. O dinheiro foi utilizado no reforço do caixa do Tesouro para cumprimento das metas de superávit previstas no acordo com o Fundo Monetário Internacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.