Pixabay / ccipeggy
Pixabay / ccipeggy

Prévia da inflação desacelera para 0,64% em julho

Em junho, IPCA-15 havia avançado 1,11%; valor, porém, é o mais alto para o mês desde 2004

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2018 | 09h42

RIO - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) registrou alta de 0,64% em julho, após ter avançado 1,11% em junho, informou nesta sexta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  A alta foi a mais elevada registrada para o mês desde 2004, quando a inflação ficou em 0,93%, informou o IBGE.

+ Tabelamento do frete pode elevar inflação de alimentos, diz Ipea

Como resultado, a taxa acumulada em 12 meses subiu de 3,68% em junho para 4,53% em julho, o resultado mais elevado desde março de 2017, quando estava em 4,73%. Em julho do ano passado, a taxa do IPCA-15 foi de -0,18%.

O resultado de julho ficou dentro no piso do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast, que esperavam uma alta entre 0,64% e 0,84%, e também abaixo da mediana (+0,73%).

 

 
Com o resultado anunciado hoje, o IPCA-15 acumulou um aumento de 3,00% no ano. Nos 12 meses encerrados em julho, o indicador ficou em 4,53%. As projeções iam de avanço de 4,53% a 4,71%, com mediana positiva de 4,63%.

Energia. A conta de luz mais cara pesou no IPCA-15 de julho. A energia elétrica subiu 6,77%, o maior impacto individual sobre a inflação do mês, o equivalente a uma contribuição de 0,25 ponto porcentual sobre a taxa de 0,64% registrada pelo IPCA-15. O avanço foi resultante de reajustes nas tarifas aos consumidores em São Paulo, Curitiba, Brasília, Porto Alegre e Belo Horizonte.

As famílias também pagaram mais em julho pelo gás de botijão, que subiu 1,36%. Em 5 de julho, a Petrobras autorizou reajuste de 4,38% para o botijão de 13 kg nas refinarias. O item gás encanado aumentou 1,24%, enquanto a taxa de água e esgoto ficou 1,27% mais elevada.

O grupo Habitação acelerou o ritmo de aumento, passando de uma alta de 1,74% em junho para 1,99% em julho. O grupo foi o de maior impacto sobre a inflação, respondendo por quase metade do IPCA-15 de julho, 0,31 ponto porcentual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.