Prévia da inflação oficial desacelera em maio, mas acumula alta de 8,24% em 12 meses

É a maior taxa acumulada desde janeiro de 2004; em maio, variação foi de 0,60%, ante 1,07% em abril

Mariana Sallowicz , O Estado de S. Paulo

22 Maio 2015 | 09h07

Atualizado às 10h20

RIO - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) desacelerou de forma intensa em maio na comparação com abril, sob influência dos preços da energia elétrica. A taxa ficou em 0,60% esse mês, após subir 1,07% em abril, segundo os dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  

Com o resultado, o índice acumula alta de 5,23% no ano, bem acima da taxa de 3,51% registrada em igual período de 2014. Já em 12 meses, o índice acumulado é de 8,24%, o mais elevado desde janeiro de 2004. 

As contas de energia, que têm peso de 3,88% nas despesas das famílias, tiveram alta de 13,02% no mês passado, enquanto em maio a variação foi de 1,41%. Com isso, o índice do grupo habitação recuou de 3,66% para 0,85%. A forte elevação em abril refletiu reajustes que passaram a vigorar em 2 de março, tanto na bandeira tarifária vigente (vermelha) - que aumentou 83,33% - quanto nas tarifas, com a ocorrência de reajustes extraordinários.

O resultado de maio ficou dentro do intervalo de estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo AE Projeções, que esperavam inflação entre 0,50% e 0,66%, e ligeiramente acima da mediana, positiva em 0,59%. 

Setor de serviços desacelera. A economista e sócia da Tendências Consultoria Integrada Alessandra Ribeiro destacou a desaceleração no setor de serviços, sem considerar as passagens aéreas. "O ponto positivo foi a desaceleração de 0,62%, no fechado de abril, para 0,44%, no IPCA-15 de maio, uma notícia alentadora. No entanto, em 12 meses, serviços, excluindo passagens aéreas, ainda tem um acumulado de 8,6%, o que é muito alto", disse. 
 
Por outro lado, segundo a economista, a alimentação em domicílio, com alta de 0,97% no IPCA-15 de maio, ainda pressionou e evitou uma queda maior no indicador, justamente em um período favorável à baixa nos preços. "Já a alimentação fora do domicílio finalmente mostrou uma desaceleração, mesmo que modesta, de 0,97% no fechado de abril para 0,77% no IPCA-15", disse.  

O grupo alimentos e bebidas teve aumento de 1,05% e impacto de 0,26 ponto porcentual no IPCA-15 deste mês. Entre os destaques, estão os aumentos nos preços do tomate (19,79%) cebola (18,83%), cenoura (10,45%), leite (2,64%), pão francês (2,23%), óleo de soja (2,17%), carnes (1,40%), frango em pedaços (1,30%).

Produtos farmacêuticos em alta. O grupo Saúde e Cuidados Pessoais apresentou a maior variação em maio, com alta de 1,79%. Com isso, o impacto no índice foi de 0,19 ponto porcentual.

A forte elevação ocorreu como consequência do aumento do custo dos produtos farmacêuticos, cujos preços subiram, em média, 3,71% diante do reajuste vigente desde 31 de março. O item liderou a relação dos principais impactos individuais, sendo responsável por 0,12 ponto porcentual do IPCA-15 de maio.

(Com informações de Gustavo Porto, da Agência Estado)

Mais conteúdo sobre:
INFLAÇÃOIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.