Sergio Castro/Estadõa - 10/11/2016
Sergio Castro/Estadõa - 10/11/2016

Prévia da inflação recua 0,16% em dezembro e sobe 3,86% no ano

Este é o menor resultado mensal registrado desde julho de 2017, aponta IBGE

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2018 | 11h41

RIO - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) registrou queda de 0,16% em dezembro, após ter avançado 0,19% em novembro, informou nesta sexta-feira,  21, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Este é o menor resultado mensal registrado desde julho de 2017. É também o menor resultado para um mês de dezembro desde a implantação do Plano Real, em 1994.

Com o resultado anunciado hoje, o IPCA-15 acumulou aumento de 3,86% no ano. As projeções iam de avanço de 3,85% a 4,03%, com mediana de 3,91%. O resultado veio bem abaixo dos 4,39% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores, ressaltou o IBGE.

Setores

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados no IPCA-15, quatro apresentaram deflação na passagem de novembro para dezembro - Transportes (-0,93%), Saúde e cuidados pessoais (-0,58%), Habitação (-0,52%) e Comunicação (-0,07%).

Entre as altas, o destaque foi o grupo Alimentação e bebidas (0,35%), que apresentou o maior impacto positivo no índice do mês, com 0,08 ponto porcentual. Educação variou 0,02%; vestuário, 0,31%; despesas pessoais, 0,43%; e artigos de residência, 0,44%.

No grupo de alimentação, o resultado foi influenciado por uma queda mais acentuada nos preços do leite longa vida (de -3,47% em novembro para -10,39% em dezembro) e pelas quedas em itens como arroz (-0,84%), farinha de mandioca (-2,47%) e alho (-3,38%). Em contrapartida, cebola (34,16%), batata-inglesa (17,8%), tomate (8,37%) e carnes (0,92%) seguem com preços em alta. Já a alimentação fora acelerou de -0,01% em novembro para 0,58% em dezembro.

Quanto aos índices regionais, quase todas as áreas pesquisadas tiveram deflação em dezembro. A exceção foi Belém (0,27%), por causa principalmente das altas das passagens aéreas (31,12%), tomate (27,06%) e açaí (12,86%). O menor índice (-0,30%) foi o de Brasília, com as quedas nos preços da gasolina (-8,75%) e dos itens de higiene pessoal (-5,08%).

Transportes

O grupo de Transportes teve a maior queda, de 0,93%, e também o maior impacto, de -0,18 ponto porcentual, no IPCA-15 de dezembro (-0,16%), divulgado há pouco pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No grupo, a principal influência partiu da redução nos preços da gasolina (-5,47%).

O combustível foi o responsável pelo maior impacto individual no índice do mês, com -0,26 ponto porcentual. Todos as áreas pesquisadas apresentaram queda de preços da gasolina. O intervalo foi de -8,90% em Salvador e -3,02% em Fortaleza.

Além da gasolina, o etanol (-3%) e o óleo diesel (-1,93%) também caíram em dezembro. Já as passagens aéreas subiram 29,61%, sendo o maior impacto individual positivo no IPCA-15 de dezembro (0,11 ponto porcentual).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.