JF Diório/Estadão
JF Diório/Estadão

Prévia da inflação sobe 0,71% em janeiro, maior resultado para o mês desde 2016

Aumento no preço das carnes perdeu força, mas ainda foi o item que mais pesou no avanço do IPCA-15

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2020 | 11h08

RIO - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo -15 (IPCA-15), uma prévia da inflação oficial, registrou alta de 0,71% em janeiro, após ter avançado 1,05% em dezembro, informou nesta quinta-feira, 23, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse foi o maior resultado para o mês desde 2016, quando a elevação foi de 0,92%. Em janeiro de 2019, o IPCA-15 foi de 0,30%. 

Como consequência, a taxa acumulada em 12 meses passou de 3,91% em dezembro para 4,34% em janeiro. O resultado deste mês ficou praticamente em linha com a mediana das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast, calculada em 0,70%. O intervalo ia de 0,55% a 0,76%.

A alta no preço das carnes perdeu força, mas o item ainda foi o principal fator de pressão no IPCA-15. As carnes, que já tinham subido 17,71% em dezembro, ficaram 4,83% mais caras em janeiro, item de maior impacto no IPCA-15, contribuindo com 0,15 ponto porcentual. Como consequência, o grupo alimentação e bebidas teve a maior variação neste mês, com alta de 1,83%, maior contribuição de grupo para a inflação, de 0,45 ponto porcentual.

O custo da alimentação no domicílio subiu 2,30%, com pressões também das frutas (3,98%) e do frango inteiro (4,96%). Por outro lado, as famílias pagaram menos pela cebola (-5,43%). A alimentação fora do domicílio subiu 0,99%.

A segundo maior contribuição individual para o IPCA-15 do mês foi da gasolina, o equivalente a 0,11 ponto porcentual. O combustível, que já tinha subido 1,49% em dezembro, teve alta de 2,64% em janeiro. Todas as regiões pesquisadas apresentaram elevação de preços, de 0,58% em Belém até 4,60% em Fortaleza.

O etanol subiu 4,98%, enquanto o óleo diesel aumentou 1,47%. Como consequência, as famílias gastaram 0,92% a mais com transportes em janeiro, um impacto de 0,17 ponto porcentual para o IPCA-15. Também pesaram mais o ônibus urbano, com alta de 0,30%, puxada pelos reajustes de tarifas em Brasília e São Paulo.

Em São Paulo, houve também reajustes nas passagens de trem e metrô. Na média nacional, o trem subiu 0,61%, enquanto o metrô aumentou 0,69%.

O táxi ficou 0,28% mais caro, em função do reajuste médio de 2,20% nas tarifas do Rio de Janeiro desde 2 de janeiro. As passagens dos ônibus interestaduais subiram 2,91%. Por outro lado, as passagens aéreas recuaram 6,45%, depois de os preços terem aumentado 15,63% em dezembro.

Entre os gastos com habitação, a energia elétrica ficou 2,11% mais barata, representando o maior impacto individual negativo (-0,08 ponto porcentual) no IPCA-15. Todas as regiões pesquisadas apresentaram variações negativas, que foram desde uma queda de 0,61% em São Paulo até um recuo de 4,46% em Fortaleza, onde houve redução da alíquota de PIS/Cofins. De dezembro para janeiro, a bandeira tarifária amarela permaneceu em vigor, com cobrança extra de R$ 1,343 a cada 100 quilowatts-hora consumidos.

Por outro lado, o gás encanado subiu 0,49%, como consequência do reajuste de 2,45% nas tarifas do Rio de Janeiro em 1º de janeiro. A taxa de água e esgoto aumentou 0,25%, devido ao reajuste de 18% nas tarifas de Belém desde 14 de dezembro.

O gás de botijão teve elevação de 0,21%, após o reajuste de 5% concedido pela Petrobrás no preço do botijão de 13 kg, nas refinarias, no dia 27 de dezembro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.