Prévia do IGP-M de outubro desacelera para 0,86%

Na segunda medição do mês, preços no atacado aceleram 1,15% e puxam índice para baixo

Alessandra Saraiva, da Agência Estado, Agencia Estado

22 de outubro de 2007 | 08h30

A segunda prévia do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) de outubro subiu 0,86%, em comparação com o aumento de 1,05% apurado em igual prévia do indicador em setembro. O índice serve como balizador de correções de alguns títulos emitidos pelo Tesouro Nacional e Depósitos Bancários com renda pós fixadas acima de um ano, além de ser utilizado para a correção de contratos de aluguel e indexador de algumas tarifas, como energia elétrica. Segundo a FGV, os três indicadores que compõem a segunda prévia do IGP-M de outubro apresentaram comportamentos distintos. Enquanto o Índice de Preços ao Atacado (IPA) teve ligeira redução, com alta de 1,15% na prévia anunciada nesta segunda, em relação ao aumento de 1,52% na segunda prévia de setembro, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) avançou, com uma alta de 0,25% na segunda prévia de outubro, ante elevação de 0,13% em igual prévia do mesmo índice em setembro. Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) teve avanço de 0,48% na segunda prévia de outubro, ante alta de 0,32% na segunda prévia do IGP-M de setembro. Os preços dos produtos agrícolas no atacado subiram 3,91% na segunda prévia do IGP-M de outubro, ante elevação de 4,13% em igual prévia do mesmo indicador em setembro.  Até a segunda prévia do IGP-M de outubro, o IPA acumula altas de 5,37% no ano e de 6,74% em 12 meses, segundo informou há pouco a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Já os preços dos produtos agrícolas no atacado acumulam aumento de 13,52% no ano, e registram elevação de 17,62% em 12 meses. No varejo, o IPC acumula elevações de 3,87% no ano e de 4,56% em 12 meses, até a segunda prévia do IGP-M de outubro, anunciada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) - sendo que o IPC representa 30% do total do IGP-M. Segundo a FGV, a aceleração na taxa do IPC, na passagem da segunda prévia do IGP-M de setembro para igual prévia do mesmo indicador em outubro (de 0,13% para 0,25%), foi influenciada principalmente pelo fim da queda de preços do grupo alimentação (de -0,13% para 0,49%), no período. No mesmo período, quatro das sete classes de despesa usadas para cálculo do índice apresentaram aceleração ou queda mais fraca de preços. Além de alimentação, é o caso de vestuário (de 0,67% para 1,73%); transportes (de -0,31% para -0,17%); e saúde e cuidados pessoais (de 0,18% para 0,23%). Os outros grupos apresentaram desaceleração ou queda de preços. É o caso de habitação (de 0,42% para 0,10%); educação, leitura e recreação (de 0,19% para 0,08%); e despesas diversas (de 0,04% para -0,05%). Na construção civil, o INCC acumula elevações de preços de 5,07% no ano e de 5,63% em 12 meses, até a segunda prévia do IGP-M de outubro - sendo que o INCC representa 10% do total do IGP-M. A informação foi divulgada há pouco pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Até a segunda prévia de outubro, o IGP-M acumula elevações de 4,97% no ano e de 6,09% no período acumulado de 12 meses encerrados em outubro. O período de coleta de preços para cálculo da segunda prévia do IGP-M de outubro foi do dia 21 de setembro a 10 de outubro.

Tudo o que sabemos sobre:
IGP-MPréviaFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.