Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

'Prévia do PIB' avança 0,04% em novembro, mas aponta retração de 0,12% em 2014

Em 12 meses, na série com ajustes sazonais, foi calculada pelo Banco Central retração da atividade econômica no Brasil de 0,01%

Economia & Negócios , O Estado de S. Paulo

15 de janeiro de 2015 | 08h30

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma "prévia" do Produto Interno Bruto (PIB) do País publicado nas Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indica retração de 0,12% da atividade econômica brasileira em 2014 até novembro - divulgou nesta quinta-feira, 15, o Banco Central. Em novembro, em relação a outubro, houve elevação de 0,04%, também na série ajustada. 

Em outubro, esses índices, acumulado no ano e mensal, apontavam evolução negativa de 0,09% e 0,26%, respectivamente. 

O IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da atividade econômica do Brasil no decorrer dos meses. Compõem o indicador a Pesquisa Industrial Mensal e a Pesquisa Mensal de Comércio. A projeção oficial do BC para o crescimento do PIB (produção de bens e serviços da economia) deste ano é de 0,7%, mostra o último Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado em setembro. 

Na comparação trimestral, o IBC-Br registrou alta de 0,81% em três meses encerrados em novembro, na comparação com os três meses anteriores pela série ajustada do BC. Na divulgação anterior, foi vista uma alta de 0,62% no período agosto/outubro ante os três meses anteriores.

A instituição revisou alguns dados do Índice de Atividade Econômica na série com ajuste. Em outubro, mudou de uma queda de 0,26% para -0,12%. Em setembro, a elevação de 0,26% deu lugar a uma alta de 0,23%. Em agosto, o avanço de 0,14% foi substituído por 0,21%. A nova taxa de julho é de 1,57% e não mais de +1,35%. Para junho, o dado de -1,49% foi ajustado para -1,52% e, para maio, passou de -0,35% para -0,54%. No caso de abril, a modificação foi de +0,08% para +0,05%. (Com informações da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
IBC-BR,PIB,Banco Central

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.