Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Previdência não vai resolver sozinha problemas de crescimento e emprego, diz Maia

O presidente da Câmara defendeu que, após a aprovação da reforma da Previdência, será preciso pensar em soluções para que o País volte a investir

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2019 | 12h16
Atualizado 15 de maio de 2019 | 12h20

NOVA YORK - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que será importante que as lideranças políticas brasileiras busquem soluções para a economia após a aprovação da reforma da Previdência.

Segundo o deputado, será preciso ampliar gastos em áreas fundamentais para elevar o crescimento do país, como investimentos públicos. Maia afirmou que a reforma sozinha não vai resolver os problemas de crescimento e geração de empregos no País.

“Estamos numa situação difícil no Brasil, pois o Estado perdeu capacidade para investir”, comentou Maia. Ele destacou que o volume de despesas obrigatórias do governo federal é muito alto, pois de cada R$ 100,00, R$ 94,00 são gastos dirigidos para áreas específicas.

Por outro lado, ele apontou que os salários dos servidores federais e estaduais “ficou caro” e há uma falência da qualidade dos serviços públicos em todos os entes da federação. “Com 13 milhões de desempregados, como vamos organizar a sociedade para atender estas pessoas?”, questionou.

Segundo Maia, ao retirar o Benefício de Prestação Continuada (BPC) da discussão sobre a proposta da reforma da Previdência é possível aos parlamentares dedicarem mais atenção à discussão sobre os recursos dentro do sistema nacional de benefícios para aposentados para as próximas gerações. “Foi importante esta decisão. A reforma da Previdência não é de direita nem de esquerda.”

Rodrigo Maia também mostrou que há aproximação do governo e do presidente Jair Bolsonaro junto ao Congresso. “(O ministro) Onyx tem estado mais próximo da presidência da Câmara e do Senado. O presidente (Bolsonaro) está com mais participação efetiva”, destacou, referindo-se a sua relação com o parlamento. O presidente da Câmara apontou que “há um presidente” da República eleito e um parlamento que também foi escolhido pela população nas urnas.

Votação

Maia afirmou com exclusividade ao Estadão/Broadcast que a votação da reforma no plenário da Câmara deve ocorrer “logo depois” da sua aprovação pela Comissão Especial da Câmara, que para ele ocorrerá até junho.

“Vamos construir a data para a votação no plenário com o governo”, disse Maia. Ele apontou que o relacionamento com o presidente Jair Bolsonaro vem apresentando evolução. “Melhorou o diálogo com o presidente. Ele conversa mais, está mais próximo. Isto é importante.” O presidente da Câmara fez os comentários depois de participar de evento realizado pelo BTG Pactual em Nova York.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.