Previdência: reajuste do mínimo elevou déficit em agosto

O secretário da Previdência Social, Helmut Schwarzer, disse hoje, em entrevista coletiva, que o aumento 22,4% no déficit da Previdência em agosto deste ano, na comparação com agosto do ano passado, se deve ao reajuste do salário mínimo, no início do ano, e a uma redução no ritmo de crescimento da arrecadação previdenciária. Segundo o secretário, nos meses até setembro de 2008, antes do auge dos efeitos da crise financeira, a arrecadação crescia a patamares de 10% acima da inflação. Nos meses de 2009, o crescimento real tem sido de cerca de 5%, em relação a iguais períodos de 2008.

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

23 de setembro de 2009 | 13h34

O déficit da Previdência em agosto de 2009 foi de R$ 5,19 bilhões, ante R$ 4,24 bilhões registrados em agosto de 2008. Na comparação com julho de 2009, o déficit cresceu 67,4%. Nesse caso, Schwarzer justificou o crescimento em função da antecipação de metade do 13% no mês de agosto.

O ministro da Previdência, José Pimentel, previu que haverá um aumento do emprego em 2010, o que deve impactar positivamente o recolhimento das contribuições previdenciárias. "O mundo da empregabilidade voltou a crescer", disse o ministro, lembrando que a projeção de crescimento da economia para 2010 é de 4,5%, ante uma estimativa de 1% para este ano.

Pimentel disse acreditar que a retomada do ritmo de crescimento da economia, que deve gerar novos empregos, deve também absorver o reajuste salarial que está sendo negociado para os benefícios de mais de um salário mínimo. A previsão, segundo o ministro, é de que, para cada um ponto porcentual de reajuste, nesses casos, a despesa deve crescer R$ 1,2 bilhão.

Tudo o que sabemos sobre:
Previdênciadéficit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.