Previdência registra déficit menor em maio

Em maio, o déficit - despesas maiores que as receitas - da Previdência Social ficou menor em relação a abril, fechando o mês R$ 650,1 milhões. Em abril, o déficit foi de R$ 663,4 milhões. No acumulado dos cinco primeiros meses do ano, o déficit chega a R$ 3,1 bilhões, uma queda de 7,5% em relação ao resultado acumulado em mesmo período do ano passado, quando o déficit alcançou R$ 3,3 bilhões.De acordo com a Previdência Social, a queda do déficit foi a arrecadação recorde no mês. Em maio, a arrecadação líquida atingiu R$ 4,35 bilhões e as despesas com o pagamento dos benefícios, R$ 4,99 bilhões. O aumento das contribuições decorre da recuperação da economia. A massa de trabalhadores com carteira assinada vem crescendo nos últimos meses, o que significa mais gente contribuindo para o INSS. O bom desempenho da Previdência Social até agora pode ser sustentado ao longo do ano, mesmo levando em consideração que grande parte do impacto do aumento do salário mínimo ainda virá. O impacto adicional é de R$ 1 bilhão e será distribuído mês a mês, até o final do ano, por conta do reajuste dos benefícios superiores ao salário mínimo. Do lado da despesa, o gasto com pagamento de benefícios em maio, de quase R$ 5 bilhões, é 3,9% superior ao verificado em abril (R$ 4,8 bilhões) e deve-se ao impacto do aumento do salário mínimo. No acumulado de janeiro a maio, a despesa com benefícios atingiu o montante de R$ 23,9 bilhões, 3,8% superior ao mesmo período do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.