Previdência tem déficit de R$ 2,581 bilhões em julho

Valor é resultado de uma arrecadação líquida de R$ 22,284 bilhões e de uma despesa com pagamentos de benefícios de R$ 24,864 bilhões 

Célia Froufe, da Agência Estado,

28 de agosto de 2012 | 11h22

BRASÍLIA - A Previdência Social registrou um déficit de R$ 2,581 bilhões em julho, divulgou nesta terça-feira o Ministério da Previdência. O valor é resultado de uma arrecadação líquida de R$ 22,284 bilhões e de uma despesa com pagamentos de benefícios de R$ 24,864 bilhões. Em julho do ano passado, o resultado previdenciário havia sido negativo em R$ 2,196 bilhões - montante corrigido pelo INPC.

Dessa forma, o crescimento do déficit nas comparações entre os meses de julho foi de 17,5%. No acumulado do ano até julho, o déficit da Previdência já soma R$ 23,450 bilhões. O rombo é 1,8% maior do que o verificado em igual período de 2011, de R$ 23,035 bilhões. De janeiro a julho deste ano, a Previdência arrecadou R$ 149,934 bilhões e teve despesas com benefícios no total de R$ 173,384 bilhões. Os valores acumulados também são corrigidos pelo INPC.

A projeção atual para o déficit de 2012 está na casa dos R$ 38 bilhões e não mais de R$ 39,5 bilhões, segundo o secretário de políticas previdenciárias da Previdência Social, Leonardo Rolim. O valor maior ainda consta da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), mas o mais provável que é que o valor fique menor, levando-se em conta que este é o saldo acumulado nos últimos 12 meses.

No mês passado, o secretário havia mantido a expectativa de R$ 39,5 bilhões, mas afirmou que a tendência seria atingir os R$ 38 bilhões. "Vamos esperar mais um pouco", disse há pouco. Segundo o secretário, com o crescimento da arrecadação, é até possível que o valor negativo do ano fique abaixo desse montante.

Rolim disse ainda que esse aumento das receitas é proveniente do aumento da formalidade do mercado de trabalho e da expansão da massa salarial, compensando o aumento do salário mínimo, maior referência para o pagamento de benefícios previdenciários."Todos os indicadores são de que o segundo semestre será melhor que primeiro", considerou.

Rolim destacou ainda que, se confirmado esse rombo de R$ 38 bilhões em 2012, ele será menor do que o de 2011 em termos reais. No ano passado, o déficit da Previdência ficou negativo em R$ 36 bilhões. Esse montante, corrigido pelo INPC, seria aproximadamente de R$ 39,5 bilhões.

Arrecadação

A arrecadação da Previdência em julho, de R$ 22,284 bilhões, é a maior desde março, quando ficou em R$ 22,2 bilhões (valor já corrigido pelo INPC). De acordo com o ministério, este também foi o segundo melhor resultado da série histórica, excluindo-se os meses de dezembro, que sofrem impacto do pagamento do 13º salário. Na comparação com julho de 2011, o aumento da arrecadação no mês passado foi de 7,1%. Já em relação a junho a expansão foi de 2,6%.

Renúncia

A renúncia da Previdência Social com os setores de Tecnologia da Informação e Comunicação e de Móveis, Confecções e Artefatos em Couro foi de R$ 169,3 milhões em julho, informou nesta terça-feira o Ministério da Previdência. O primeiro grupo de empresas contou com desonerações previdenciárias da ordem de R$ 88,1 milhões e o segundo, de R$ 81,2 milhões. No acumulado do ano até o mês passado esses setores já obtiveram isenção de R$ 1,2 bilhão.

O benefício é fruto da desoneração da folha de pagamentos que está dentro do Programa Brasil Maior. No mês passado, o secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim, disse que a Pasta espera um crédito suplementar para compensar essa desoneração, além da recompensa já acertada de R$ 1,7 bilhão para este ano.

A Previdência vai pleitear um valor maior para 2012, de R$ 3,4 bilhões, em razão dos novos setores que participarão do programa a partir do próximo mês. Pela lei, já era para a Previdência ter recebido as compensações. Neste primeiro ano, haverá um crédito adicional e, a partir de 2013, o montante passará a entrar no orçamento.

Tudo o que sabemos sobre:
previdenciapagamentodespesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.