Previdência vai avisar contribuintes sobre aposentadoria

Ele garantiu que já no mês de junho a aposentadoria rural também será concedida em meia hora

Anne Warth, da Agência Estado,

27 de janeiro de 2009 | 18h25

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou nesta terça-feira, 27, em São Paulo, que, a partir de junho, os contribuintes da Previdência Social que atingirem a idade ou o tempo de contribuição necessários para se aposentar receberão em casa um comunicado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) confirmando a possibilidade. Segundo Lula, a agilidade na prestação de serviços da Previdência só foi possível com os investimentos realizados pelo governo nos últimos anos. "Se preparem porque, a partir de junho, vocês vão receber em casa, quem atingir o direito de se aposentar, um comunicado da Previdência dizendo que o cidadão já atingiu a idade de aposentar, já atingiu o tempo de contribuição, que o seu salário será de tanto e, portanto, ele tem a opção de querer ou não se aposentar ou querer continuar trabalhando um pouco mais", disse, sob aplausos da plateia, formada por funcionários e beneficiários da Previdência, na agência da Vila Mariana, na zona sul da capital paulista. "Esse já é um comprometimento meu, um comprometimento público que estou fazendo aqui aos companheiros da Previdência Social", acrescentou. Lula, que visitou a agência em São Paulo como parte das comemoração dos 86 anos da Previdência Social, destacou os benefícios que a agilização dos serviços do INSS permitem hoje, como a concessão em até meia hora de aposentadoria por idade, por tempo de contribuição e do salário maternidade. Ele garantiu que já no mês de junho a aposentadoria rural também será concedida em meia hora. "Isso só foi possível porque, de 2006 até agora, nós investimos R$ 280 milhões para modernizar a Data Prev, para torná-la senhora de uma situação na área de informática, para oferecer os melhores serviços para o povo brasileiro" declarou. Segundo Lula, os usuários que procuram o call center da Previdência no número 135, conseguem hoje marcar uma perícia, em média, cinco dias após a solicitação. Apesar disso, o presidente reconheceu que a agilidade no atendimento aos beneficiários não é um favor, mas um dever do Estado. "Por conta de tudo isso é que nós estamos hoje retribuindo. Não é nenhum favor do Estado brasileiro. É apenas retribuindo ao contribuinte da Previdência Social aquilo que é a cidadania a que ele tem direito. Ele paga em dia, é descontado do seu contracheque, ele não tem direito de concordar nem de discordar, é descontado no ato", afirmou. "Se para cobrar nós somos tão precisos, para devolver o seu dinheiro em forma de benefício nós temos que chegar também próximos à perfeição. Isso nós vamos fazer em outras áreas do serviço público brasileiro", acrescentou. Lula disse que o anúncio desses benefícios foi feito em São Paulo porque a maior parte dos contribuintes do INSS está no Estado. Ele afirmou também que a cirurgia a que o vice-presidente José Alencar foi submetido neste fim de semana foi também um dos motivos que o trouxe à capital paulista. O presidente contou que historicamente as maiores filas nas agências do INSS eram formadas no Estado de São Paulo. "Era aqui que as filas eram maiores e era daqui que saíam as principais manchetes dos jornais brasileiros. E portanto é aqui, na cara do problema, que nós, em vez de fugirmos dele, viemos aqui para dizer que esse problema está resolvido, que apareçam outros pra gente resolver. E assim nós vamos resolver todos os problemas do nosso querido país." Lula admitiu que as notícias veiculadas sobre as filas nas agências do INSS não eram uma perseguição da imprensa a seu governo, mas sim falhas do sistema. "É importante que a gente saiba para a gente corrigir. É preciso parar com essa mania de que a imprensa deu porque a imprensa é contra o governo, porque a imprensa não gosta do governo. Se a imprensa deu e o fato aconteceu, ao invés de a gente reclamar, a gente tem que consertar", reconheceu. Durante a cerimônia, o presidente concedeu a aposentadoria por idade ao contribuinte Armênio dos Santos, e o salário maternidade a Adriana Queiroz da Silva. Ele posou para fotos com Ingrid da Silva Lopes, bebê de 15 dias, filha de Adriana.

Tudo o que sabemos sobre:
PrevidênciaLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.