Previdência vê tendência de alta na arrecadação

O secretário de Previdência Social, Helmut Schwarzer, disse hoje que a tendência é de crescimento da arrecadação previdenciária nos próximos meses. Segundo ele, o resultado de fevereiro, de R$ 15,207 bilhões, é o segundo maior da série histórica - com exceção dos meses de dezembro, quando a arrecadação recebe um reforço do recolhimento do 13º salário. O maior valor arrecadado é o de novembro do ano passado, de R$ 17,120 bilhões.

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

25 de março de 2010 | 12h31

De acordo com Schwarzer, este aumento da arrecadação está sendo influenciado pelo crescimento dos empregos formais. Em relação a janeiro, quando a arrecadação foi de R$ 14,174 bilhões, desse crescimento de mais de R$ 1 bilhão nas receitas em fevereiro, cerca de R$ 500 milhões devem-se à formalização de empregos na área urbana. O melhor resultado em fevereiro também é influenciado por uma transferência menor, em torno de R$ 500 milhões, para o chamado Sistema S e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

"Vamos entrar nos próximos meses num novo patamar de arrecadação", disse o secretário. Segundo ele, a estimativa do ministério é que a arrecadação da Previdência fique entre R$ 15,8 bilhões e R$ 16 bilhões por mês. Ele destacou ainda que a arrecadação em fevereiro ante janeiro cresceu mais que as despesas. A alta foi de 7,3% ante um aumento das despesas de 6%.

Previsão

O secretário de Previdência Social disse que a previsão de déficit do INSS para este ano é de R$ 50,7 bilhões. O valor é maior que o divulgado pelo Ministério do Planejamento, na semana passada, no Relatório de Programação Orçamentária. O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, estimou um déficit de R$ 47,1 bilhões.

Schwarzer explicou que os critérios utilizados pelos dois ministérios para calcular essa previsão são diferentes. Segundo ele, a estimativa inicial do Ministério da Previdência, no fim de 2009, era de um déficit de R$ 54 bilhões. Essa redução de estimativa se deve à expectativa de melhoria no mercado de trabalho. O secretário disse ainda que considerou para a última projeção (de R$ 50,7 bilhões) um crescimento da massa salarial de 11,6% e uma inflação de 4,83%, além de uma expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 5,2%.

O secretário destacou que, embora os números do Planejamento e da Previdência sejam divergentes no início do ano, eles vão se aproximando ao longo do ano. "Não há erro (nessa diferença). São os propósitos que são diferentes", justificou Schwarzer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.