Previsões do Banco Mundial derrubam bolsas no mundo

Mercados europeus fecham em baixa; NY e Bovespa também caem após piora das estimativas para economia

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

22 de junho de 2009 | 14h16

Os principais índices do mercado de ações europeu encerraram em queda nesta segunda-feira, 22, após o Banco Mundial ter divulgado uma perspectiva mais pessimista para a economia mundial em 2009 e pressionados pelo declínio acentuado das ações de companhias petrolíferas. O Banco Mundial afirmou em um relatório que a economia mundial deve encolher 2,9% neste ano. Anteriormente, o órgão havia estimado uma contração de 1,7%, segundo agências internacionais.

 

Veja também:

linkBanco Mundial prevê queda de 1,1% no PIB brasileiro em 2009

linkFluxo de capital para emergentes despenca 41% e cairá mais

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

O índice pan-europeu Dow Jones Stoxx 600 caiu 2,7%, para 202,77 pontos, mas ainda acumula alta superior a 2% desde o início do ano. A Bolsa de Londres recuou 2,57%. Em Frankfurt, o índice de ações caiu 3,02%. Na Bolsa de Paris, o CAC-40 teve queda de 3,04% e, em Madri, o índice IBEX-35 perdeu 2,53%. Em Nova York, o índice Dow Jones cai 1,97% e a Nasdaq perde 2,97%. No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) tem baixa de 3,27%.

 

"No momento, a pergunta que está na ponta da língua dos investidores é se o declínio de 4% nos mercados de ações é o início de uma nova fase de perdas", afirmou Ian Scott, do Nomura, acrescentando que não acredita que os mercados estão entrando em uma nova fase baixista. No entanto, o estrategista-chefe de mercado do IG Index, David Jones, disse que "há uma sensação de que a semana passada marcou uma mudança no sentimento dos investidores" após um mês de pouca oscilação.

 

Embora as ações de todos os setores tenham caído, os papéis de petrolíferas apresentaram alguns dos desempenhos mais fracos da sessão, pressionados pelo declínio no preço do petróleo para abaixo de US$ 67 o barril. A Total caiu 3,32% e as da BP recuaram 3,82%. No Brasil, as ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Petrobras caem 4,62%. As preferenciais (PN, sem direito a voto) perdem 3,76%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.