Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

PRF diz que não há mais bloqueios ou manifestações em rodovias do País

Segundo o governo, a polícia continua a agir para manter a segurança e restabelecer o fluxo normal de veículos e cargas pelas rodovias

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

31 Maio 2018 | 12h08

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou no início da tarde desta quinta-feira, 31, que não há pontos de manifestação ou bloqueios em rodovias federais. Mais cedo, a PRF informou que haviam nove pontos de aglomerações: seis em Santa Catarina, um no Ceará e dois no Rio Grande do Sul. No balanço divulgado ontem, 197 pontos tinham manifestações de pessoas e veículos próximos ao acostamento. 

+ MP autoriza governo a 'comprar' horas de folga de polícias rodoviários

O governo comemorou a redução de manifestações na reunião da manhã desta quinta-feira do grupo criado para avaliar a paralisação dos caminhoneiros, que está no 11º dia, e considerou positiva a liberação do porto de Santos, depois da intervenção das Forças Armadas no local esta madrugada.  Este era um foco de tensão e a ação foi cuidadosamente planejada porque o governo temia confronto no local, pela forte resistência dos trabalhadores do porto e pelo simbolismo desta estratégica área de abastecimento para São Paulo e todo o País.

Segundo o governo, a polícia continua a agir para manter a segurança e restabelecer o fluxo normal de veículos e cargas pelas rodovias do país com ações de apoio aos usuários, policiamento ostensivo e fiscalização de trânsito.

+ Federação dos petroleiros suspende greve e orienta sindicatos a retomarem atividades

A suspensão das mobilizações em todas as refinarias, depois do Tribunal Superior do Trabalho fixar em R$ 2 milhões por dia a aplicação de multa às instituições que lideram a greve, também está sendo comemorada pelo governo. A paralisação foi convocada pela Federação Única dos Petroleiros, a FUP, que é ligada à Central Única dos Trabalhadores, braço do PT.

+ Greve dos caminhoneiros: acompanhe as últimas notícias

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.