Nelson Andrade
Nelson Andrade

Greve dos caminhoneiros: PRF já aplicou 349 multas que totalizam R$ 1,77 milhão

Principais associações de caminhoneiros não têm relatos de multas; mais de 500 pontos de rodovias segurem com protestos neste sábado

Tânia Monteiro, Rafael Moraes Moura e Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2018 | 14h13

Em meio à paralisação de caminhoneiros por todo o País, Polícia Rodoviária Federal (PFR) informou neste sábado, 26, que já aplicou 349 multas ao longo dos últimos dias que totalizam R$ 1,77 milhão. Apesar da quantidade expressiva, os dois principais movimentos dos caminhoneiros, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) e a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) ainda não têm relatos de multa nas rodovias neste sábado. 

+++ AO VIVO: Acompanhe a cobertura em tempo real da greve dos caminhoneiros

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) informou que a direção da entidade segue reunida e em contato com federações, sindicatos e a própria base nas rodovias. O presidente da CNTA, Diumar Bueno, informou através da assessoria de imprensa que está mantida a posição da entidade de que a decisão de terminar a paralisação é de cada um do motoristas e a entidade apoia a decisão dos caminhoneiros. A CNTA firmou o acordo com o governo na noite de quinta-feira para o fim da manifestação.

+ Pelo menos dez aeroportos estão sem combustível

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que não apoiou o acordo com o governo federal, também não tem registro de multas nas rodovias. O monitoramento da entidade mostra que continuam vários pontos de manifestação no Brasil, mas sem obstrução das rodovias.

+ Ministro afirma que PF fez pedido de prisão de empresários por locaute

A PRF informou, em balanço das 11h30, que havia 596 pontos ativos de bloqueios (52,28%), mas em sua maioria parciais e sem prejuízo à livre circulação. Outros 544 trechos foram desbloqueados entre meia noite e 11h30. Segundo a corporação, foram criados corredores para a circulação de cargas sensíveis, transporte de animais, gêneros alimentícios, equipamentos essenciais e combustíveis.

Na última sexta-feira, 25, o ministro Raul Jungmann, da Segurança Pública informou que o total de pontos de bloqueio havia chegado a 938, dos quais 419 foram liberados, persistindo 519 (55,3%).

As multas estão previstas no Código de Trânsito Brasileiro. No artigo 253-A, o código considera infração gravíssima “usar qualquer veículo para, deliberadamente, interromper, restringir ou perturbar a circulação na via sem autorização do órgão ou entidade de trânsito”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.