Primeira prévia de maio registra inflação de 0,08% em SP

O grupo de Saúde fez com que a inflação do município de São Paulo medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) acelerasse na primeira quadrissemana de maio, tomando como base o indicador encerrado em abril. Segundo a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), da Universidade de São Paulo (USP), a alta foi de 0,08%, ante avanço de 0,01% registrado anteriormente. Apesar da alta, o resultado ficou dentro da margem prevista por 13 analistas de instituições financeiras ouvidos pela Agência Estado, que apostavam em variação de zero a 0,14%, com mediana justamente em 0,08%.Os serviços do setor de Saúde ficaram 1,31% mais caro. Em abril, a alta havia sido de 1,26%. Outros grupos que registraram aceleração nos preços foram o de Vestuário e de Despesas Pessoais. O setor de Educação, por sua vez, subiu 0,11%, índice ligeiramente inferior ao do fechamento de abril, +0,13%. Os setores de Alimentação, Transportes e Habitação encerraram o período do deflação nos preços. O IPC-Fipe mede a variação dos preços de produtos e serviços, no município de São Paulo, para famílias que ganham entre 1 e 20 salários mínimos.Este texto foi atualizado às 10h22.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.