Primeira prévia do IGP-M registra deflação de 0,17%

A primeira prévia do Índice Geral dos Preços de Mercado (IGP-M) de julho fechou em queda de 0,17%, um deflação inferior à prévia registrada em junho, de -0,47%. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), um dos componentes do IGP-M, registrou queda de 0,37%, numa retração que foi superior à do Índice de Preços no Atacado (IPA), cuja deflação foi de 0,19%. A inflação do custo da construção, medida pelo Índice Nacional da Construção Civil (INCC), permaneceu positiva em 0,54%. No ano, o IGP-M acumula 5,72% e nos últimos 12 meses, 25,57%. "A fase das grandes deflações (registradas nos últimos meses) está acabando". A avaliação foi feita pelo coordenador de análises econômicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Salomão Quadros. A variação negativa de 0,17% mostra perda de força da deflação, que em junho havia sido de menos 0,47%. No atacado, segundo o economista, os efeitos do câmbio já são menores e os preços agrícolas, que vinham gerando variações negativas mais fortes, estão esgotando a sua contribuição. E a inflação do varejo deverá sentir os efeitos dos aumentos dos preços, conforme o reajuste das tarifas públicas. Desta forma, Quadros acredita que apesar da primeira prévia ter sido negativa, o IGP-M de julho deverá fechar positivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.