Primeira rodada de recapitalização dos bancos da Espanha será em novembro

Segundo a Comissão Europeia, resultado dos testes de estresse dos bancos são ‘passo importante’ para a restauração da confiança no setor bancário do país 

Renato Martins, da Agência Estado,

28 de setembro de 2012 | 15h04

BRUXELAS - O resultado dos testes de estresse dos bancos da Espanha são "um passo importante" para a restauração da confiança no setor bancário do país e deverá permitir que a recapitalização de um primeiro grupo de bancos espanhóis aconteça em novembro, diz comunicado da Comissão Europeia.

"As necessidades de capital de bancos individuais, divulgadas hoje, são um passo chave no processo de restauração e fortalecimento da saúde dos bancos espanhóis. Elas vão constituir a base para a eventual recapitalização dos bancos, com ajuda do programa", afirma o comunicado. O texto acrescenta que o volume de assistência financeira que os bancos espanhóis vão receber do fundo europeu de estabilização financeira "será determinado nos próximos meses e vai se basear nos resultados publicados hoje".

Os governos dos países da zona do euro prometeram tornar até 100 bilhões de euros disponíveis para os bancos espanhóis. Os testes de estresse independentes, cujos resultados saíram nesta sexta-feira, indicam que a necessidade de capital dos bancos da Espanha está na casa dos 60 bilhões de euros.

Segundo a Comissão Europeia, a recapitalização dos bancos vai acontecer depois de a UE aprovar os planos do governo espanhol para a reestruturação ou o fechamento ordeiro de instituições, conforme o caso. "A recapitalização de um primeiro grupo de bancos está marcada para acontecer até novembro", diz o texto.

Eurogrupo

Em comunicado separado, Jean-Claude Juncker, presidente do Eurogrupo (que reúne os ministros das Finanças dos países da zona do euro), diz estar "reconfortado pelo fato de a carência total de capital do setor bancário espanhol estar um pouco abaixo de 60 bilhões de euros". Segundo Juncker, isso significa que os 100 bilhões de euros prometidos pelos governos da região "serão mais do que adequados para cobrir as necessidades finais de capital, incluindo uma margem de segurança confortável".

Autoridades na Espanha, contudo, estimam que os bancos locais precisariam solicitar somente cerca de 40 bilhões de euros (US$ 51,6 bilhões) em recursos de ajuda da União Europeia para cobrir déficits de capital, afirmou o vice-ministro das Finanças do país, Fernando Jimenez Latorre.

O número está bem abaixo do déficit de 53,75 bilhões de euros, que desconta o efeito de impostos, estimado em testes de estresse cujos resultados foram divulgados mais cedo.

A diferença é atribuída à expectativa de que alguns bancos espanhóis que necessitam de capital levantem fundos por conta própria, vendam ativos ou transfiram empréstimos imobiliários "tóxicos" para o chamado "banco ruim", de controle estatal.

A conclusão dos testes de estresse com o sistema bancário espanhol e a recapitalização das instituições em dificuldades deverão aplacar incertezas sobre a solvência do setor, disse Latorre, durante coletiva convocada para divulgar o resultado dos testes.

A estimativa dos testes fornece uma referência do custo para sanear o setor que enfrenta dificuldades em um momento no qual os mercados financeiros estão cada vez mais preocupados com a situação da Espanha. As informações são da Dow Jones.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.