Primeiro debate em Davos ignora Brasil e emergentes latinos

O encontro anual do Fórum Econômico Mundial foi iniciado nesta quarta com um tom de moderado otimismo com as perspectivas da economia global em 2007. Num debate entre graduados economistas que tradicionalmente marca a abertura do evento, Brasil e América Latina foram ignorados em um debate cujo foco, além dos Estados Unidos, Europa e Japão, recaiu sobre a China e a Índia, considerados pela maioria dos analistas os dois países emergentes capazes de terem um impacto sobre a economia mundial nos próximos anos. A única menção ao Brasil no debate não foi espontânea. Ela ocorreu quando um jornalista brasileiro perguntou aos palestrantes sobre as perspectivas do país. O professor Nouriel Roubini, presidente da consultoria Roubini Global Economics, fez uma avaliação semelhante à que domina os investidores e analistas estrangeiros. "O Brasil precisa aumentar seu potencial de crescimento através de mais investimentos", disse. "Mas para isso precisa promover profundas reformas estruturais que melhorem sua situação fiscal." O ex-governador do Banco Central de Israel e vice-presidente da seguradora American International Group lembrou que o presidente Lula, ao participar do fórum de Davos poucas semanas após assumir seu primeiro mandato em 2003, tranqüilizou os mercados ao garantir a manutenção da estabilidade macroeconômica do país. "Vamos agora ver agora o que Lula vai nos dizer dessa vez", disse Frenkel. Ao contrário do que ocorreu há quatro anos, a presença de Lula em Davos na próxima sexta-feira não está despertando interesse entre os milhares de participantes e jornalistas que estão nos Alpes suiços. Poucos, inclusive, estão cientes do Pacote de Aceleração do Crescimento (PAC) anunciado pelo governo na segunda-feira passada.Pacote de crescimentoO Pacote de Aceleração do Crescimento (PAC) deve fortalecer a exportações brasileiras em 2007 e no prazo, garantiu o presidente da Agência de Promoção de Exportações e Investimentos, Juan Quírós, durante o Fórum Econômico Mundial. "O PAC vai gerar investimentos em infra-estrutura, reduzindo os custos das empresas e aumentando a diversidade e a competitividade dos produtos do país", disse Quirós. "Nos contatos com empresários que mantive nos últimos dias, foi possível se colher um sentimento muito positivo em relação às medidas."Ele prevê que as exportações brasileiras, que somaram US$ 137 bilhões, deverão crescer entre 8% e 12% em 2007. Ele evitou fazer estimativas para o superávit comercial, admitindo no entanto que ele deverá ser menor em 2007. "Mas se o país registrar um superávit entre US$ 30 e US$ 35 bilhões, como os mercados estão prevendo, será um resultado positivo", disse. "As importações estão crescendo, mas 70% delas são de bens de capital, o que é extremamente positivo para as perspectivas econômicas do país." Segundo ele, o debate sobre o impacto do câmbio sobre as exportações perdeu fôlego nos últimos tempos. "Os exportadores brasileiros, de uma maneira geral, se adaptaram à realidade cambial do país, como mostram os números de nossas vendas externas", disse.Quirós vai acompanhar o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, numa série de contatos com empresários e autoridades estrangeiras durante o fórum de Davos. "Nosso objetivo principal aqui será o de apresentar o PAC e mostrar que o Brasil está tomando as medidas necessárias para mais atrair investimentos", disse. Furlan desembarca em Davos nesta tarde.Economia mundialNo primeiro debate do Fórum, preponderou a tese de que o impacto da desaceleração econômica nos Estados Unidos será compensado pela performance mais positiva da Europa, Japão e os grandes emergentes, principalmente a China e a Índia.Mas isso não significa que os riscos para esse cenário benigno devam ser menosprezados, entre os quais uma onda de protecionismo comercial causada pela enorme desequilíbrio das contas correntes dos Estados Unidos e a China e os efeitos da globalização sobre os trabalhadores dos países ricos, principalmente os norte-americanos. O domínio desde o final do ano passado do Partido Democrata sobre o congresso norte-americano reforçou esse temor nos últimos meses."Há muitas razões para estarmos otimistas com a economia mundial neste ano", disse a professora de economia da Universidade da Califórnia, Laura Tyson. "Os mercados estão menos voláteis, há um maior equilíbrio no crescimento dos Estados Unidos, Europa e Japão e o mundo deverá registrar mais um ano de forte crescimento no comércio."Segundo Min Zhu, vice-presidente do Bank of China, a economia chinesa terá "um desempenho ainda melhor em 2007", crescendo novamente em torno dos 10%. "O governo chinês fez um ótimo trabalho em 2006 na adoção de medidas para evitar um superaquecimento econômico e gerae uma expansão muito mais equilibrada", disse Zhu. A Índia, após crescer 8,3% em 2006, deve acelerar o rimo para uma taxa de 10% nos próximos anos, afirmou o vice-presidente da Comissão de Planejamento do país, Montek Ahuluwalia. Ele observou, no entanto, que a Índia precisa atrair uma grande volume de investimentos para manter o ritmo de sua expansão.Jacob Frenkel, vice-presidente da seguradora American International Group e ex-governador do banco central de Israel, salientou a importância da menor presença do Estado na economia de vários países. "O poder migrou para os mercados e por isso estamos mais imunes a mudanças políticas", disse. "Pouso Forçado" - Mas nem todos economistas demonstraram otimismo. O presidente da consultoria Roubini Global Economics, Nouriel Roubini, acredita que a economia dos Estados Unidos corre um sério risco de ter um `pouso forçado´ ao invés do "pouso suave" previsto pela maioria dos mercados. "Acredito que os Estados Unidos poderá enfrentar uma recessão ou um crescimento de apenas 1%, causado principalmente pela crise no setor imobiliário, que ainda não atingiu seu pico", disse Roubini. "Isso teria um impacto negativo para todo o mundo."Tyson e Frenkel, embora tenha rebatido os argumentos de Roubini, alertaram que os riscos não podem ser menosprezados, inclusive os geopolíticos. "As coisas estão boas, talvez boas demais, e a história mostra que economistas muitas vezes são pegos de surpresa por fatos inesperados", disse Frenkel.Matéria editada às 11h40 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.