Principal executivo do Santander é acusado de fraude

A Justiça espanhola acusou o chairman do Banco Santander Central Hispano, Emílio Botín, e outros três executivos da instituição financeira, por fraude de impostos e falsificação de documentos, na década de 80. O processo, aberto pela juíza Teresa Palacio, surge um mês antes do maior grupo financeiro espanhol assumir o controle do banco britânico Abbey National.A aquisição, avaliada em 8,2 bilhões de libras esterlinas (US$ 14,62 bilhões), será a maior movimentação do setor financeiro da Europa. Botín enfrenta sozinho outro processo judicial, e a notícia de ontem alimenta o debate sobre quem deverá gerenciar o novo banco que irá emergir da fusão. Caso seja condenado, o executivo de 69 anos estará sujeito à sentença máxima de quatro anos de prisão.Ainda não há uma data para o julgamento, mas os advogados envolvidos no caso dizem que Botín pode ser submetido à corte em 2005. O Santander, que é o maior grupo financeiro da Espanha em termos de ativos, não comentou a notícia, embora tenha negado o fato repetidas vezes no passado.Uma investigação de doze anos encerrada há mais de um ano sustenta que o Santander não pagou impostos referentes aos juros oferecidos a clientes entre 1987 e 1989. Durante este período, o banco teria usado artifícios legais para propor produtos que não eram sujeitos à cobrança de impostos.O Santander publicou nota negando as acusações, e alegou que sempre agiu conforme a lei. Segundo a Justiça espanhola, a receita do Tesouro da Espanha perdeu 67,8 milhões de euros (US$ 83,5 milhões) com a suposta fraude. Em outra ação, a juíza Palacio acusa Botín de ter pago, ilegalmente, 164 milhões de euros (US$ 201 milhões) aos dois principais executivos do Banco Central Hispano, em 1999, quando este se uniu ao Banco Santander.Um promotor público da Espanha pediu a anulação dos dois casos contra Botín, citando a falta de evidências que o incriminem. Entretanto, a corte judicial pode seguir com o processo, já que a juíza Palacio tem poderes equivalentes aos dos promotores do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.